nsc
nsc

Opinião

Crônica de domingo: A aceitação da mentira

Compartilhe

Ânderson
Por Ânderson Silva
30/05/2021 - 13h00
Pazuello na CPI da Pandemia
Pazuello na CPI da Pandemia (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

Há alguns dias martela na minha cabeça o depoimento do ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, na CPI da Pandemia. Caso ainda existissem programas de humor como o Casseta & Planeta, seria um prato cheio para Hélio De La Peña e sua turma. Sem nem ficar vermelho, Pazuello mentiu descaradamente. Já se sabia naquele exato momento que o general do Exército escondia fatos. Mas os depoimentos que vieram depois comprovaram a desfaçatez do ex-ministro.

Leia todas as Crônicas de Domingo

Aliás, foram as falas dos convocados depois de Pazuello as responsáveis por sua reconvocação à CPI. Mas nem precisava que outras pessoas o contradissessem para que a mentira ficasse visível. Era só estar atento aos fatos. O general mentiu e mentiu. Um comportamento que não se espera de qualquer nível de autoridade, e ainda envergonha o Exército.

Crônica de domingo: A epidemia do barulho

Deveria envergonhar, na verdade, a todos os brasileiros. Um ex-ministro sentado diante de senadores na investigação de uma fracassada gestão da pandemia, com transmissão em diferentes canais de televisão, teria a obrigação de, pelo menos, ser fiel à verdade. Mas não, Pazuello deu mais um passo para o que está em evidência no Brasil: a institucionalização da mentira.

Até certos tempos, mentir era considerado algo brutal. Desde pequeno aprendemos que esconder ou inventar fatos é reprovável. Quando alguém era descoberto em sua mentira, os demais olhavam desconfiados, apontando o dedo. Agora, em 2021, representantes do governo federal, tentam dizer que fizeram de tudo pela vacina, inventam teses sobre decisão do STF para comprometer governadores e prefeitos e mentem sobre remédios sem eficácia.

Crônica de domingo: O quadro da sociedade brasileira é irreversível

Tudo isso sem vergonha alguma, mesmo diante do olhar de reprovação de milhões de brasileiros. E o perigo de comportamentos como esse está justamente na propagação das mentiras sem nenhuma reação. Como assim um ex-ministro mente descaradamente e nada acontece? Qual a mensagem que isso passa para o cidadão que diariamente fala a verdade porque sabe o valor da honestidade?

Crônica de domingo: "O nascimento de uma mãe"

As respostas para as perguntas acima estão numa frase: ele mentiu justamente porque sabe que nada vai acontecer e isso se espalha para quem assiste como sinal de impunidade. Institucionalizar a mentira pode ser ainda pior se os atores desse ato passarem sem reações. A CPI e o ex-ministro terão uma nova oportunidade de contar melhor, e corretamente, a história. A reconvocação será a chance de comprovarmos se realmente Pazuello tem perna curta.

Leia também:

Omissão dada, omissão cumprida: Pazuello envergonhou o Exército na CPI

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Mais colunistas

    Mais colunistas