nsc
nsc

Opinião

Omissão dada, omissão cumprida: Pazuello envergonhou o Exército na CPI

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
22/05/2021 - 18h13 - Atualizada em: 22/05/2021 - 18h15
Ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, em depoimento à CPI da Covid
Ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, em depoimento à CPI da Covid (Foto: Sergio Lima / AFP)

Às vésperas do depoimento de Eduardo Pazuello à CPI da Covid, nesta semana, o presidente da Comissão, senador Omar Aziz, telefonou para o comandante do Exército, Paulo Nogueira. Pediu que o general ex-ministro não usasse farda durante a sabatina. Fez um grande favor aos militares.

Pazuello envergonhou a farda na CPI. Questionado pelos senadores, foi arrogante, mentiu e deixou dúvidas sobre o que fazia na cadeira de ministro. 

Bolsonaro desprezou a vacina, e a CPI da Covid já pode provar

O general que comandou a Saúde em meio à maior crise sanitária já enfrentada no Brasil disse que não podia negociar vacinas. Não era responsável pelo fornecimento de oxigênio. Não sabia o que o Ministério da Saúde publicava ou apagava nas redes sociais. Não sabe como um aplicativo que receitava cloroquina foi colocado no ar.

Apesar de tantos “nãos”, disse ter deixado o cargo com a missão cumprida. O grande chargista Zé da Silva foi rápido em fazer a relação: “omissão dada, omissão cumprida”.

Rancho Queimado vira argumento de governistas na CPI da Pandemia; Mandetta ironiza

O desempenho do general Pazuello na CPI da Covid mostrou que o resultado desastroso das políticas implementadas durante sua gestão no Ministério da Saúde – ou a falta delas – não era a última fronteira no desgaste que a adesão ao governo promoveu ao Exército brasileiro. O ex-ministro conseguiu colocar em xeque a propalada eficiência e logística da instituição. 

Cinco motivos para Bolsonaro se preocupar com a CPI da Covid

Pazuello sujou as mãos e a farda com a negligência. Defendeu o indefensável, em um ato de lealdade - não à pátria, como manda o conjunto de missões das Forças Armadas. Mas a um projeto de poder. 

CPI da Pandemia: "Não é Bolsonaro o culpado pelo vírus", diz Jorginho Mello

Essa exposição do Exército brasileiro me fez lembrar de um vídeo que assisti no ano passado, logo no início da pandemia. Publicado pelo exército português, tocava a bonita canção ‘Amor a Portugal’ enquanto mostrava os militares montando hospitais de campanha, cobertos da cabeça aos pés em ações de desinfecção, distribuindo alimentos.

No Brasil, embora o Exército tenha atuado em missões semehantes, a gestão de um militar no Ministério da Saúde deixará uma impressão diferente. General, nosso ex-ministro colaborou com a morte dos brasileiros.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Leia também:

Para frear alta da gasolina governo de SC segura imposto

SC receberá 500 mil doses da Coronavac após liberação de insumos da China

Trabalhadores da indústria e comércio são os que mais morreram de Covid-19 em SC

Churrasco pode ficar mais caro em SC com freio nas exportações da Argentina

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas