nsc
    nsc

    JUDICIÁRIO

    Desembargadores que julgam a operação Lava-Jato vão decidir futuro da operação Chabu

    Compartilhe

    Ânderson
    Por Ânderson Silva
    18/06/2019 - 15h31 - Atualizada em: 18/06/2019 - 16h43
    8ª Turma do TRF4 é a mesma que julga a operação Lava-Jato (Foto: Analice Bolzan/TRF4/Divulgação)
    8ª Turma do TRF4 é a mesma que julga a operação Lava-Jato (Foto: Analice Bolzan/TRF4/Divulgação)

    Caberá os desembargadores da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) o julgamento dos casos da operação Chabu, que nesta terça-feira cumpriu mandados em Santa Catarina e prendeu temporariamente o prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (sem partido). E o grupo de magistrados da 8ª Turma é acostumado a enfrentar processos complexos. O maior exemplo é a operação Lava-Jato.

    Todos os recursos da Justiça Federal de Curitiba são analisados pelos três desembargadores: Leandro Paulsen (presidente), Victor Laus e João Pedro Gebran Neto. Laus faz nesta quarta-feira a sua última sessão na Turma, justamente quando será retomado o julgamento de outra operação de repercussão em Florianópolis, a Moeda Verde. Em seu lugar entrará Thompson Flores, magistrado que deixará a presidência do Tribunal. Laus assumirá a cadeira.

    Nos bastidores, o grupo de julgadores é conhecido pelo pulso firme em suas análises. Dos três membros, a relatoria será de Leandro Paulsen, que também responde pela Moeda Verde. Coube a ele autorizar os mandados de busca e apreensão e de prisão dentro da operação Chabu. Futuros recursos serão direcionados a ele em caráter liminar. Para decisão do mérito, os outros dois desembargadores serão ouvidos em sessão da Turma.

    Mais colunistas

      Mais colunistas