nsc
    nsc

    Dados

    Grande Florianópolis passa Oeste e tem a maior fila por um leito de UTI em SC

    Compartilhe

    Ânderson
    Por Ânderson Silva
    19/03/2021 - 08h25
    Hospital Florianópolis, na região Continental da Capital
    Hospital Florianópolis, na região Continental da Capital (Foto: Julio Cavalheiro/Secom)

    Os dados mais recentes sobre o coronavírus em Santa Catarina mostram que a Grande Florianópolis passou a ter a maior fila por um leito de UTI no Estado. No boletim diário desta quinta-feira, 18 de março, eram 89 pessoas aguardando pela vaga na região. O Grande Oeste, que antes ocupava o primeiro lugar, agora é o segundo com 87. Mesmo com o anúncio da abertura de mais 10 vagas de UTI na região da Capital pela secretaria de Saúde, ainda seriam 79 pacientes na fila.

    Florianópolis terá feriado normal previsto no aniversário da cidade

    Pelos números do Estado, na quarta-feira (17), o Oeste tinha 101 pessoas aguardando por leito. Houve, então, uma queda de 12 pessoas entre um dia e outro. Enquanto isso, na Grande Florianópolis, o aumento foi de 81 para 89. No terceiro lugar está a região Norte, com 81, e depois o Sul, com 73.

    SC deve fiscalizar máscaras para multa não cair em descrédito

    Há uma grande preocupação por parte da secretaria de Saúde com as regiões que aparecem com maior demanda por leitos de UTI, como Grande Florianópolis, Oeste, Norte (Joinville) e Sul. Nos últimos dias, o Estado anunciou abertura de novas vagas em diferentes município, mas mesmo assim ainda há uma fila de 456 pacientes, conforme os dados desta quinta-feira (18).

    Falta de medicamentos para pacientes com Covid é grave em hospitais de Chapecó, Criciúma e Tubarão

    Em apenas duas semanas, a fila de espera por leitos de terapia intensiva (UTI) cresceu 63% em Santa Catarina, devido ao aumento de casos de covid-19, conforme reportagem do colega Cristian Weiss. Nesta quinta-feira, 18, são 456 pessoas aguardando por uma vaga, segundo dados da Secretaria de Estado da Saúde. Após uma queda no dia anterior, também voltou a subir nesta quinta, e se tornar o índice mais alto da pandemia, a soma de pacientes das redes pública e privada internados em UTIs por covid-19.

    Mais colunistas

      Mais colunistas