nsc
    nsc

    Análise

    Impeachment em SC: Moisés paga na Alesc a conta da falta de articulação em um ano e nove meses

    Compartilhe

    Ânderson
    Por Ânderson Silva
    18/09/2020 - 08h06
    Deputados votaram a favor do afastamento de Moisés e Daniela Reinehr
    Deputados votaram a favor do afastamento de Moisés e Daniela Reinehr (Foto: Alessandro Bonassoli/Alesc)

    A conta da falta de articulação chegou para Carlos Moisés da Silva. E veio pesada. Em um ano e nove meses, o governador de Santa Catarina deixou a Assembleia Legislativa (Alesc) andar sozinha, sem marcar território constantemente. A aprovação da abertura do processo de impeachment contra Moisés e a vice, Daniela Reinehr, não se construiu somente no setembro histórico. Veio desde o começo de 2019, quando começou o novo governo e a gestão no Parlamento.

    Impeachment em SC: entenda os próximos passos do processo

    Durante a votação em plenário, a reclamação dos deputados foi constante, na mesma linha. Eles alegavam falta de conversa e atenção do governo. Até mesmo os parlamentares da bancada do PSL, o partido do governador, demonstraram claramente descontentamento com a ausência de diálogo.

    Os últimos meses somente demonstraram o quando Moisés não soube articular. Aos poucos, a Assembleia foi criando desgastes para a imagem do Executivo. Uma coisa atrás da outra. Enquanto se defendia do episódio dos respiradores e preocupava-se com a pandemia, o governo via a sua fragilidade na Alesc gerar danos. Foi assim na CPI dos Respiradores, por exemplo. Tudo que vinha da oposição, passava.

    Renúncia de Moisés e Daniela forçaria eleições diretas em Santa Catarina

    A votação do impeachment foi apenas o fechamento de um cenário já desenhado. Caso não fosse nesta denúncia, poderia ser na outra que já tramita na Assembleia, sobre o combate à pandemia em Santa Catarina. Mais uma demonstração de impotência política do Centro Administrativo.

    Com o posicionamento da Alesc definido, Moisés terá de se agarrar em possíveis decisões do Judiciário e num milagre na comissão mista com seis desembargadores e cinco deputados. Foi o que restou diante da ineficiência da articulação em um ano e nove meses.

    Leia mais:

    Só a Justiça pode salvar Moisés e Daniela

    Mais colunistas

      Mais colunistas