nsc
nsc

Corte de R$ 60 milhões

UFSC prevê dificuldade nos pagamentos a partir do mês que vem

Compartilhe

Ânderson
Por Ânderson Silva
07/05/2019 - 11h46 - Atualizada em: 07/05/2019 - 12h10
Foto: Guto Kuerten, Arquivo NSC
Foto: Guto Kuerten, Arquivo NSC

(Foto: )

O bloqueio de recursos de custeio na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) terá os primeiros reflexos já no mês de junho. Segundo o secretário de Planejamento e Orçamento UFSC, Vladimir Arthur Fey, se não houver recuo do Ministério da Educação (MEC), haverá dificuldade no pagamento de despesas imediatas. Entre elas, contratos terceirizados como limpeza e vigilância, e bolsas de extensão e para estudantes de baixa renda.

— Com esse bloqueio, (a universidade) não consegue se sustentar. Não existe possibilidade de cortar na própria carne 35%. Podemos diminuir atividades, tamanho de bolsas, limpeza e vigilância. Mas precisamos saber até que ponto fazer isso sem comprometer os serviços e sem estabelecer o caos.

O cálculo do corte, que chegou ao montante de R$ 60 milhões de recuo no orçamento da universidade, inviabiliza as atividades a partir do mês de agosto. Em entrevista à CBN Diário, na manhã desta terça-feira, o reitor Ubaldo Balthazar disse que em uma visão otimista, e com o máximo de economia possível no custeio da universidade, é possível esticar o ano letivo até outubro.

- Será outubro, se conseguirmos fazer o contingenciamento – afirmou o reitor, que viaja a Brasília nesta quarta-feira para uma reunião da Associação Nacional dos Dirigentes de Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), em que será discutido o bloqueio.

Ouça a entrevista com reitor Ubaldo Balthazar na CBN Diário:

Impacto pode ser ainda maior

As universidades e institutos federais souberam do corte pela imprensa, e ainda há dúvidas sobre o que eles representam. O secretário de Planejamento explica que já se esperava o contingenciamento de 25%, que corresponderia a R$ 46 milhões.

Mas essa é uma medida natural – o governo “segura” o recurso previsto, e conforme melhora a arrecadação, vai repassando a verba às universidades. Pelo menos, foi assim que funcionou nos últimos anos.

Já o bloqueio tem um caráter diferente. Na UFSC, ainda não se sabe se o bloqueio anunciado pelo MEC já inclui os 25% de contingenciamento, ou se vai ser somado a ele. Nesse caso, mais da metade do recurso da universidade para este ano está sob risco.

No meio político, a medida do governo federal em relação às universidades é entendida como uma pressão do governo por apoio à reforma da previdência.

Deixe seu comentário:

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Últimas do colunista

Loading interface...
Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Mais colunistas

    Mais colunistas