nsc
nsc

Análise política

Ministério da Educação merecia uma segunda chance   

Compartilhe

Carolina
Por Carolina Bahia
18/03/2019 - 04h45 - Atualizada em: 18/03/2019 - 07h06
Foto: NSC Total

Silvana Pires/Interina
(Foto: )

O presidente Jair Bolsonaro poderia aproveitar a confusão no Ministério da Educação para começar tudo de novo. Para a pasta, os primeiros meses do ano já estão perdidos, mesmo. Até agora, não houve qualquer exposição sobre os planos do governo para as mudanças no ensino médio, a implantação do programa de alfabetização prometido ou projeto claro para as universidades federais. O Conselho Nacional de Educação ainda aguarda definições para levar adiante seu próprio cronograma para o ano. O ministro Ricardo Vélez mostra clara dificuldade em liderar uma pasta tão complexa. Em uma semana, sete pessoas foram demitidas no MEC. Entre eles, o secretário-executivo da pasta. Em três dias, Vélez anunciou o substituto, voltou atrás após pressões, e na quinta-feira anunciou que o posto seria da professora Iolene Lima, mas até agora ela não foi nomeada. Por trás do impasse, não estão as forças de esquerda, que tanto assombram o ministro. Grupos conservadores que estão no ministério, divididos entre militares e alunos do filósofo Olavo de Carvalho, se engalfinham por nacos do poder. Enquanto isso, o que deveria ser prioridade para qualquer governo, segue envolto em indecisões e inércia.  

Convocado

Enquanto isso, na Comissão de Educação da Câmara já há pelo menos dois pedidos para a convocação do ministro Ricardo Vélez para que ele preste esclarecimentos sobre as ações no MEC. Os requerimentos devem ser analisados na reunião de quarta-feira. 

Reforma da Previdência

Pelo Twitter, o presidente Bolsonaro avisou que possíveis benefícios ou sacrifícios serão divididos entre todos no que diz respeito à previdência dos militares. Chama atenção o fato dele ter afirmado que ainda não recebeu a versão do projeto sobre o tema. Com agenda extensa nos Estados Unidos, Bolsonaro conseguirá analisar o texto a tempo de cumprir o acordo e entregar a proposta ao Congresso na quarta-feira? O relator da reforma só vai ser escolhido após a chegada do projeto dos militares. 

Não está morto

O Palácio do Planalto enviou um experiente emissário para conversar com o senador Renan Calheiros (MDB-AL). O emedebista está disposto a trocar ideias sobre reforma da Previdência, mas escolhe interlocutor. Renan atribui a derrota na disputa à presidência do Senado a uma manobra do ministro Onyx Lorenzoni (DEM-RS) que acabou ajudando na vitória de Davi Alcolumbre (DEM-AP).   

Caixa 2

Apesar do Supremo ter decidido que Caixa 2 é de competência da Justiça Eleitoral, o assunto está longe de esfriar. Ontem, manifestantes foram para a frente do STF protestar com cartazes que perguntavam: quem mandou matar a Lava-Jato? Os próprios procuradores da operação fizeram um ato de desagravo no sábado, no qual Deltan Dallagnol afirmou que os integrantes da Força Tarefa vão seguir atuando contra a corrupção, mas que “muito saiu do controle deles”. As alfinetadas seguiram no Twitter dos procuradores, com mensagens de que as decisões precisam ser cumpridas, mas podem se criticadas. 

Carolina Bahia

Colunista

Carolina Bahia

O olhar de Santa Catarina no dia a dia da política nacional. O que acontece em Brasília e os feitos no Estado das decisões tomadas na capital do país.

siga Carolina Bahia

Carolina Bahia

Colunista

Carolina Bahia

O olhar de Santa Catarina no dia a dia da política nacional. O que acontece em Brasília e os feitos no Estado das decisões tomadas na capital do país.

siga Carolina Bahia

Mais colunistas

    Mais colunistas