Perder faz parte da democracia. Promover baderna, fechar estradas, quebra-quebra e agressões, não faz. O que uma minoria tem feito desde a noite de domingo (30), quando o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) declarou a vitória de Lula (PT) na disputa presidencial, é arruaça antidemocrática.

Continua depois da publicidade

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Há relatos de pessoas que estão paradas há horas dentro de ônibus de viagem – idosos, crianças de colo. Há trabalhadores que não conseguiram chegar ao trabalho nesta manhã. Os transtornos se estendem por todo o Estado.

O direito de manifestação e protesto é garantido por lei. Mas o que reivindicam os que impedem o direito de ir e vir dos demais, se tivemos uma eleição reconhecidamente limpa, que refletiu a vontade da maioria dos brasileiros? A beleza da democracia é que ela permite, a quem não gostou do resultado, retornar às urnas em quatro anos e tentar eleger outro projeto.

Quem provoca baderna neste pós-eleições não representa a maioria pacífica que votou no presidente Jair Bolsonaro (PL), e não é digno dos milhões de votos que ele recebeu em Santa Catarina.

Continua depois da publicidade

Destaques do NSC Total