nsc
nsc

Opinião

Deputados discutem moção contra live enquanto SC tem mais de 500 mortos por coronavírus

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
15/07/2020 - 11h25
Sessão da Alesc
Sessão da Alesc (Foto: Bruno Collaço, Divulgação)

A pandemia avança com rapidez em Santa Catarina, que ultrapassou a triste marca de 500 mortes por Covid-19 esta semana. Mas há parlamentares com outras prioridades. Prova disso foi a moção discutida na Assembleia Legislativa, nesta terça-feira (14), para repudiar uma live. O assunto da transmissão online, organizada pela Coordenadoria de Diversidade Sexual e Enfrentamento da Violência de Gênero da UFSC, era não binariedade e visibilidade nos movimentos LGBTQIA+.

> Relatório do TCE diz que há risco de atraso no salário dos servidores em SC

Já seria uma intervenção indevida dos deputados em uma ambiente de discussão democrática, mas fica pior: como os participantes da live estão em casa, não houve sequer recurso público empregado. A transmissão foi feita gratuitamente, por um canal aberto nas redes sociais. 

>Confira os detalhes do avanço do coronavírus em SC em um mapa interativo

A moção foi aprovada por 13 votos a 8, com uma abstenção. De autoria do deputado Jessé Lopes (PSL), contumaz criador de polêmicas, a proposta não tem justificativa técnica e atende apenas ao apelo ideológico de uma parte dos deputados, mais preocupados com as bolhas das redes sociais do que com os catarinenses.

> Estado anuncia novas restrições; atividades são suspensas por duas semanas em SC

Aqui fora, no mundo real, Santa Catarina vive dias difíceis. Nas últimas semanas, fomos atingidos por um ciclone, que deixou um rastro de destruição, e passamos a encarar uma perigosa aceleração da pandemia.

Há regiões onde os leitos de UTI para pacientes com Covid-19 já estão perto da lotação. Faltam medicamentos para intubar pessoas que estão em estado grave – o que causa dor, sofrimento, e morte.

Há empresas, especialmente as pequenas e médias, que estão entre as maiores empregadoras do Estado, que não conseguiram acesso aos programas de crédito do governo. Há famílias com sérias dificuldades financeiras, que precisam ser alcançadas pelas políticas públicas.

Assuntos para debater não faltam, e é para isso que os deputados são (muito bem) pagos pelo contribuinte. Cada parlamentar recebe R$ 25 mil por mês para representar os catarinenses. Respeitar esse investimento é uma obrigação.

Usar tempo e recurso público para apostar em temas ideológicos, enquanto o Estado enfrenta a maior crise sanitária e, possivelmente, o maior desafio econômico das últimas décadas, é um desserviço e um deboche. Estes, sim, pagos com dinheiro público.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas