O projeto Voz dos Oceanos, liderado pela Família Schurmann, inicia nesta terça-feira (14) sua primeira expedição terrestre no Brasil, a partir de Itajaí. O objetivo da nova missão dos exploradores catarinenses é diagnosticar a presença de microplásticos em ostras e mexilhões, e a quantidade de toxinas que é ingerida pelo ser humano.

Continua depois da publicidade

Entre na comunidade exclusiva de colunistas do NSC Total

A equipe percorrerá cerca de 20 cidades litorâneas do país e sete mil quilômetros. A expedição sairá da Marina Itajaí, que é apoiadora do projeto, e seguirá por 70 dias até o Pará. Conduzida exclusivamente por mulheres, a equipe coletará as ostras e mexilhões em feiras e mercados públicos e enviará aos laboratórios da Universidade de São Paulo (USP) para análise e pesquisa.

O capitão Vilfredo Schurmann disse que, pelo mar, a Voz dos Oceanos documentou a presença de plásticos e microplásticos em cerca de 100 destinos nas Américas do Sul, Central e do Norte. A expedição terrestre complementará os achados:

– Agora, com a expedição terrestre, estamos concretizando o pilar científico deste grande projeto. A pesquisa tem o potencial de contribuir significativamente para os esforços de redução da poluição dos mares e para mitigar o consumo de alimentos contaminados com microplásticos de origem marinha. Este é um tema de extrema importância não apenas para o Brasil, mas também em escala global.

Continua depois da publicidade

Oito em cada 10 cidades de SC não têm política de igualdade racial

– Muitas pessoas não têm conhecimento de que ao comer ostras, vieiras, mexilhões e outros bivalves, estão também ingerindo microplásticos que contaminam os oceanos. Isso ocorre porque esses organismos funcionam como “filtradores” desses poluentes, que acabam sendo consumidos pela população ao comer esses alimentos – diz o coordenador da Cátedra UNESCO de Sustentabilidade Oceânica, do Instituto Oceanográfico da USP, Alexander Turra.

– Ao ser concluída, a pesquisa fornecerá um diagnóstico detalhado da presença de microplásticos em organismos marinhos. Isso incluirá uma análise da crescente preocupação com a segurança alimentar, especialmente relacionada à exposição humana através da ingestão de frutos do mar – complementa.

As tripulantes que irão integrar a expedição científica são a oceanógrafa e produtora de conteúdo Katharina Grisotti, que navegou de Galápagos à Nova Zelândia a bordo do veleiro sustentável Kat; Jessyca Lopes, bióloga marinha e produtora; Marília Nagata, bióloga marinha, doutoranda em Oceanografia pelo Instituto Oceanográfico da USP, e Thamys Trindade, jornalista, documentarista especializada em Conservação de Natureza. Enquanto as quatro caem na estrada, em terra, a jornalista Bárbara Clara Costa atua como roteirista das produções audiovisuais dessa expedição.

– Estamos muito felizes por servir como ponto de partida para outra expedição liderada pela Família Schurmann. O compromisso da Marina Itajaí com a sustentabilidade e sua distinção como a única do Brasil com certificação internacional ISSO 14.001 são resultados da influência da Família Schurmann, que desde o início levanta questões ambientais importantes – diz o diretor da Marina Itajaí, Carlos Gayoso de Oliveira.

Continua depois da publicidade

Destaques do NSC Total