Um relato comovente que viralizou nas redes sociais, com a história de Joaquim Masiel, um estudante de apenas 8 anos, trouxe à tona a urgência de medidas concretas para promover a inclusão de alunos com Transtorno do Espectro Autista (TEA) nas escolas de Santa Catarina – e é inspiração para um projeto de lei que premia ações de inclusão.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp 

Diagnosticado com Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) e autismo nível 1, Joaquim compartilhou experiências dolorosas, destacando desafios enfrentados diariamente, como o preconceito e a falta de apoio. “Eu ouvi coisas de adultos na escola, coisas que ninguém deveria ouvir. Sofri muito com pessoas que me machucavam e objetos que eram jogados em mim”, revelou.

A fala emocionante ressaltou a importância de uma educação inclusiva, que acolha e respeite a diversidade de cada aluno. Em resposta, o deputado Lucas Neves (Podemos) convidou Joaquim para protocolar na Assembleia Legislativa um Projeto de Lei para criar o “Selo Escola Amiga do Autista”.

– A nossa proposta já estava pronta. Foi uma sugestão da neuropsicóloga Vivian de Oliveira, de Lages. Depois de ouvir o relato de Joaquim, decidi conhecer ele e sua família. Na conversa com eles, tivemos a ideia de incluir a cartilha para escola receber o selo, para que a educação seja usada em prol da inclusão, conforme pediu o Joaquim – disse o parlamentar.

Continua depois da publicidade

De acordo com a proposta, para obter o selo as instituições de ensino deverão adotar uma série de medidas, incluindo apoio educacional e social aos alunos com TEA, capacitação contínua dos professores, realização de campanhas de conscientização e criação de espaços de acolhimento sensorial. O projeto estabelece objetivos como promover a inclusão, conscientização e apoio aos alunos com TEA, evidenciando um compromisso com a diversidade e a igualdade educacional.

– Inclusão não é apenas chegar na escola, é fazer dela um lugar onde todos se sintam em casa, valorizados por quem são e respeitados por suas diferenças – diz Neves.

O Projeto de Lei agora passará pelo processo de tramitação no Legislativo, onde será analisado pelas Comissões e submetido à votação em plenário.

Destaques do NSC Total