nsc
    nsc

    Balneário Camboriú

    Laudo da explosão que matou empresário responsabiliza vizinho por vazamento de gás

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    25/11/2019 - 10h38 - Atualizada em: 25/11/2019 - 16h51
    Prédio onde ocorreu a explosão fica na Rua Israel (foto: PMSC)
    Prédio onde ocorreu a explosão fica na Rua Israel (foto: PMSC)

    A perícia feita pelo 13º Batalhão do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina aponta que a causa da explosão que ocorreu no dia 24 de outubro em um edifício de Balneário Camboriú foi a retirada da válvula de segurança por um morador. O acidente deixou gravemente ferido o empresário Ademir Formigoni Junior, 37 anos, que morreu neste domingo (24) à noite no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo (SP).

    O laudo afirma que em houve " interferência humana na distribuição da rede de gás". O problema foi detectado na tubulação de gás que abastece um apartamento vizinho ao do empresário, onde os Bombeiros verificaram que estava faltando a válvula de bloqueio - "ato este que acarretou o vazamento imediato do gás em grande proporção, ocasionando as condições ideais para uma explosão".

    De acordo com o documento, Ademir percebeu o cheio de gás e, ao abrir a porta de seu apartamento para avisar sua vizinha da frente, acionou a iluminação automática do corredor, que provocou a explosão. "Na explosão em análise não restou dúvida sobre sua causa (natureza), não se necessitando, para esse caso, delongas sobre os descarte das demais possibilidades, tendo em vista tratar-se de ação humana indireta, causada por alteração de forma irregular e imprudente da remoção da válvula de bloqueio de 1ª estágio do gás canalizado", afirma o laudo.

    O delegado Artur Nitz, que conduz o inquérito da Polícia Civil sobre o caso, informou que a investigação está praticamente concluída. Ele ainda aguarda o laudo do Instituto Geral de Perícias (IGP) sobre o caso, feito em paralelo ao Corpo de Bombeiros - mas confirmou que um morador do prédio, vizinho de Ademir, tentou religar o gás de seu apartamento, que havia sido cortado. E que isso causou a explosão.

    O vizinho poderá responder pela explosão e, dependendo do entendimento da polícia, também pela morte do empresário.

    Danos

    O laudo relata que a explosão, que ocorreu no terceiro andar do prédio, teve reflexos no segundo e no quarto andar. Atingiu portas, janelas, gesso, corredor, elevador e portas corta-fogo. Apesar do impacto, não houve dano estrutural ao edifício.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas