nsc
    nsc

    Atenção

    Marinha alerta que ciclone subtropical causará ondas de até quatro metros no Litoral de SC 

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    22/01/2020 - 11h18 - Atualizada em: 24/01/2020 - 16h45
    Molhe da Atalaia, em Itajaí (foto: Luiz Carlos Souza, Arquivo NSC)
    Molhe da Atalaia, em Itajaí (foto: Luiz Carlos Souza, Arquivo NSC)

    A Marinha do Brasil emitiu um alerta de navegação devido à formação de um ciclone subtropical no Litoral brasileiro. Há possibilidade de formação de uma tempestade, que receberá o nome de Kurumí - menino, em tupi-guarani - e pode afetar as condições climáticas e do mar a partir da manhã desta quinta-feira (23), entre Santa Catarina e o Espírito Santo.

    A principal consequência para o Litoral catarinense será a formação de ondas com 3 a 4 metros em alto-mar. O fenômeno ocorrerá a partir de Laguna, em direção ao Norte. O alerta recomenda que os navegadores estejam cientes da situação antes de sair ao mar.

    A área de formação do ciclone subtropical será em alto-mar, provavelmente entre o Norte do estado do Rio de Janeiro e o Sul do estado do Espírito Santo, com deslocamento inicial para o Sul do país. De acordo com o comunicado, a formação do ciclone está associada a um fenômeno climático conhecido como zona de convergência, sobre uma região em que a temperatura da superfície do mar está entre 26ºC e 27ºC.

    A conversão do ciclone em tempestade subtropical ocorrerá caso a intensidade dos ventos alcance ou supere 34 nós, que equivalem a 63 km/h. São esperados ventos de até 87 km/h em alto-mar, com direção de Nordeste a Norte, entre o estado do Rio de Janeiro, ao Norte de Arraial do Cabo (RJ) e o estado da Bahia, ao Sul de Caravelas (BA).

    O alerta é do Centro de Hidrografia da Marinha (CHM), em colaboração com o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (CPTEC/INPE) e o Centro Integrado de Meteorologia Aeronáutica da Força Aérea Brasileira (CIMAER/FAB).

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas