nsc
    nsc

    Uso de ivermectina

    MP questiona “influência religiosa e política” no tratamento de Covid em Balneário Camboriú

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    05/07/2020 - 12h22 - Atualizada em: 06/07/2020 - 05h47
    Foto: Fotoarena/Folhapress
    Foto: Fotoarena/Folhapress (Foto: Foto: Fotoarena/Folhapress)

    A 6ª Promotoria de Justiça de Balneário Camboriú enviou ao Conselho Regional de Medicina (CRM-SC), neste sábado (4), um questionamento sobre a mudança de protocolo para tratamento de Covid-19 no município. O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) afirma haver indícios de que a alteração tenha “influência religiosa e política”.

    > Médicos deixam comitê de enfrentamento à Covid após Balneário Camboriú adotar ivermectina

    O promotor Álvaro Pereira Oliveira Melo questiona se, na avaliação da entidade, há critérios éticos e científicos para a mudança no protocolo de tratamento para pacientes com coronavírus, que têm sintomas iniciais. Ele cita, no pedido, a entrevista feta pelo prefeito Fabrício Oliveira nas redes sociais com a médica Nise Yamagushi, notória defensora da cloroquina. E, também, o fato de médicos da Secretaria Municipal de Saúde terem deixado o Comitê de Enfrentamento à Covid-19 após a adoção de novos medicamentos, como a ivermectina, que ainda está em fase de estudos.

    > Painel do coronavírus: Veja dados atualizados das cidades de SC

    O pedido diz que não é intenção do MPSC analisar protocolos médicos, mas afirma ser preocupante que “o exercício da medicina possa sofrer qualquer tipo de influência que venha a ferir posições científicas e éticas dos médicos”.

    Conforme informou a coluna, as mudanças levaram pelo menos três médicos a se retirarem do Comitê de Enfrentamento à Covid-19 em Balneário Camboriú. Os profissionais se recusaram a adotar a prescrição de medicamentos para tratar os sintomas iniciais da doença que ainda não têm eficácia comprovada.

    Em nota, a prefeitura de Balneário Camboriú informou que a mudança de protocolo servirá para evitar internações, que poderiam colapsar a rede de atendimento. Afirmou que o protocolo incluirá "invermectina, azitromicina, paracetamol e outros medicamentos", que serão usados conforme avaliação médica. Por fim, diz que "a politização de temas como esse, dando contornos religiosos neste momento do debate é uma afronta à inteligência e reforçam valores minúsculos, medíocres e que sequer merecem".

    Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas