nsc
    nsc

    Análise

    Os recados na primeira fala oficial de Daniela Reinehr como governadora de Santa Catarina

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    27/10/2020 - 11h41 - Atualizada em: 27/10/2020 - 12h03
    Coletiva de imprensa da governadora Daniela Reinehr
    Coletiva de imprensa da governadora Daniela Reinehr (Foto: Diorgenes Pandini)

    Um discurso se define pelo que se diz, e também pelo que se silencia. Elevada ao cargo de governadora, Daniela Reinehr (sem partido) fez nesta terça-feira (27) o primeiro pronunciamento oficial e a primeira entrevista coletiva no comando do Estado. E trouxe, nas entrelinhas, pistas sobre o que esperar deste início de governo.

    > Daniela Reinehr assume governo de SC e fala em diálogo, mudanças no secretariado e ações na pandemia

    A primeira delas é uma aparente insegurança, ainda, quanto às diretrizes. Falei na coluna, na segunda-feira, que Daniela teria que optar entre coalizão ou bolsonarismo-raiz. As falas da governadora apontam que ela ainda está costurando o governo e suas bases. Por enquanto, tenta manter um pé em cada prato da balança.

    > Conheça Daniela Reinehr, a primeira mulher a governar SC

    Um silêncio, no entanto, foi bastante significativo. Embora tenha falado em afastar ressentimentos com a Alesc e em restabelecer o diálogo, Daniela perdeu uma oportunidade de construir pontes. A governadora agradeceu a todos os desembargadores que participaram do Tribunal de Julgamento – o que inclui Luiz Felipe Schuch, que votou pelo afastamento dela e de Moisés. Mas não fez o mesmo aceno aos deputados que integraram o grupo. 

    Quanto à pandemia, o grande questionamento da estreia de Daniela, a governadora anunciou que quer rever as políticas de enfrentamento. Falou em alinhamento ao Ministério da Saúde, mas evitou entrar no tema de forma mais incisiva. Um recado importante foi a menção à responsabilidade dos municípios nas medidas de contenção - o que indica a tendência de seguir com a posição de Moisés, de deixar com os prefeitos as decisões impopulares.

    O que se pode dizer, ao observar a fala de Daniela, é que ela não acredita no retorno de Moisés. A governadora falou em construção sem traumas, em reaceleração, e iniciou sua fala de forma simbólica, dizendo que a história que vive hoje – ou seja, sua presença no governo – começou a ser escrita há dois anos. Exatamente o período em que se elegeu, e que passou a ser escanteada pelo comandante afastado. 

    No que depender de Daniela, esse não será um governo interino.

    Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas