nsc
nsc

Polêmica

Prefeitura de Itajaí havia negado aos Correios demolição total de antiga sede

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
29/10/2019 - 07h29 - Atualizada em: 29/10/2019 - 08h12
Antiga sede dos Correios em Itajaí
Antiga sede dos Correios em Itajaí (foto: Itajaí de Antigamente)

A decisão da prefeitura de Itajaí de demolir o antigo prédio dos Correios, na Rua Gil Stein Ferreira, tem sido alvo de críticas desde sábado, quando as máquinas da Secretaria de Obras iniciaram o desmonte. Ocorre que a própria prefeitura havia negado aos Correios a demolição total do edifício depois que ele foi desativado, em 2015. O motivo, então, era preservar a construção antiga caso houvesse um processo de tombamento.

Recentemente, o município voltou atrás e cedeu o alvará de demolição total, como era pedido pela empresa pública. Foi esse documento, expedido pela Secretaria de Urbanismo, que autorizou que o prédio fosse ao chão.

Demolição da sede antiga dos Correios em Itajaí
Demolição da sede antiga dos Correios em Itajaí
(Foto: )

O secretário responsável pela pasta, Rodrigo Lamin, diz que a decisão levou em conta a estrutura do prédio, que estava em estado de deterioração e abandono, e o fato de não haver nenhum processo de tombamento histórico aberto.

O presidente da Fundação Cultural, Normélio Weber, reitera o posicionamento do Urbanismo.

– Não tinha como manter de pé, o prédio estava condenado. No início, quando se começou a negociar, a parte da frente seria mantida. Mas os técnicos constataram que (a estrutura) não tinha condições de reformada. O custo seria muito alto – explicou.

Defesa Civil e Secretaria de Obras têm a mesma versão para os fatos. Mas nenhum dos dois órgãos tem laudos que apontem para a necessidade de derrubar toda a estrutura.

Tombamento

A historiadora Marlene Rothbarth conta que o prédio marcou o período de unificação dos Correios com o Telégrafo. No andar térreo funcionava a agência, e em cima, a casa do diretor. Havia ainda importância no estilo arquitetônico, característico da época.

Um processo de tombamento poderia, em tese, ter salvado ao menos a fachada do edifício, construído a partir de 1940 e inaugurado em 1942. A historiadora, que é representante da Associação Empresarial de Itajaí no Conselho de Patrimônio de Itajaí, diz que o assunto chegou a ser levantado, mas a discussão não prosperou. Ela reclama de falta de políticas públicas para o patrimônio.

– O conselho pouco se reúne. Não há interesse - disse.

O presidente da Fundação Cultural, Normélio Weber, que preside o Conselho de Patrimônio, diz que as reuniões não vinham ocorrendo porque mandato dos conselheiros venceu e foi necessário reeditar as nomeações devido à reforma administrativa feita pela prefeitura e ao fato de algumas entidades representativas da sociedade civil terem deixado de existir.

– Esse processo teve uma demora por conta dos processos legislativos na Câmara de Vereadores. Mas está concluído e o novo conselho já está nomeado. Mas não havia nada na pauta sobre o prédio dos Correios, que também não era tombado.

Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas