O Consórcio Águas Azuis deu início à construção da segunda fragata Classe Tamandaré no thyssenkrupp Estaleiro Brasil Sul, em Itajaí. É um impulso no projeto dos navios de guerra, que estão orçados atualmente em R$ 11 bilhões – o orçamento original, de R$ 9 bilhões, aumentou R$ 2 bilhoes desde que o contrato foi assinado, em 2020.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

A rimeira chapa de aço da segunda fragata foi cortada há poucas semanas. Com isto, o estaleiro tem atualmente dois navios em construção. O primeiro deles, chamado de Tamandaré – F200, tem lançamento previsto para meados do ano que vem.

A segunda embarcação levará o nome Jerônimo de Albuquerque – F201. O projeto é idêntico ao da primeira embarcação, com 107 metros de comprimento e velocidade de até 25,5 nós – o equivalente a 47 quilômetros por hora. Adaptados do modelo alemão Mekko-100, que está presente em Marinhas de 15 países, os navios serão invisíveis a radares inimigos e terão alto poder de fogo.

As embarcações serão equipadas com sensores modernos, sonares que detectam outras embarcações a quilômetros de distância, canhões de diferentes envergaduras, metralhadoras e lançadores de mísseis e torpedos.

Continua depois da publicidade

O projeto começou em 2017, e prevê transferência de tecnologia entre Alemanha e Brasil. A construção dos navios envolve cerca de 800 trabalhadores em Itajaí, e a previsão é que alcance 2 mil no ápice de produção, com 6 mil trabalhadores indiretos. O contrato vai até 2029.

Veja imagens do projeto:

Destaques do NSC Total