nsc
nsc

Eleições 2020

Quantidade de candidatos militares aumentou 66% em Santa Catarina

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
14/10/2020 - 09h40 - Atualizada em: 15/10/2020 - 09h58
Policiais Militares são maioria entre os candidatos
Policiais Militares são maioria entre os candidatos (Foto: Diorgenes Pandini)

Santa Catarina terá, nas Eleições 2020, um total de 202 candidatos ‘fardados’, que declararam como ocupação policial militar, bombeiro militar ou militar reformado. O número é 66% maior do que nas últimas eleições municipais, em 2016.

> Em site especial, saiba tudo sobre as eleições municipais 2020

> Saavedra: cresce registro de policiais e militares em nomes de urna em Joinville

O fenômeno é nacional, e vem na esteira do bolsonarismo e da ‘antipolítica’. Chama atenção que, em Santa Catarina, o cargo que registrou maior aumento tenha sido o de prefeito, o maior posto das eleições municipais. Em 2016, o Estado teve um candidato identificado como militar. Em 2020, são 16.

Entre os candidatos a vice-prefeito, o número subiu de seis para 11. E, dos que tentam uma vaga de vereador, 175 são militares – contra 114 em 2016.

Os PMs são mais da metade dos candidatos 'fardados' em Santa Catarina. Ao todo, 122 policiais militares concorrem nestas Eleições. Bombeiros militares contabilizam 20 candidatos, e militares reformados, 60.

Embora a atração dos fardados pela carreira política tenha ganhado um upgrade com a vitória do presidente Jair Bolsonaro e seu discurso, alinhado ao militarismo, essa tendência não é exatamente nova. Márcio Staffen, professor de Ciência Política no programa de mestrado e doutorado da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), diz que a inclinação dos militares brasileiros à política é histórica, especialmente nos momentos de maior instabilidade.

- O processo republicano brasileiro foi construído pela lógica dos militares como tutores das nossas instituições, inclusive, da nossa democracia – observa.

Outro ponto que favorece as candidaturas militares são a crença do brasileiro em uma suposta moralidade e integridade vinda da caserna – o que faz deles uma “alternativa” natural quando há frustração do eleitorado com os políticos civis.

Embora não seja proibido aos militares se candidatem e atuarem politicamente (ainda que existam restrições), há no entanto questionamentos sobre o quanto a cultura do militarismo faz sentido no ambiente democrático. Steffen diz que essa migração dos militares para a política pode ser saudável para a democracia se discurso, propostas e ações estiverem de acordo com a Constituição Federal e com os valores democráticos. Ele lembra, no entanto, que “uma democracia não se sustenta apenas em fardas e sob hierarquia e subordinação”.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas