nsc
    nsc

    Opinião

    Weintraub deixa vago o posto de pior ministro da Educação que o Brasil já teve

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    18/06/2020 - 18h25 - Atualizada em: 19/06/2020 - 16h54
    Ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub
    Ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub

    Abraham Weintraub está fora do Ministério da Educação após colecionar polêmicas e ganhar a pecha de pior titular que a pasta já teve no país. Ganhou “de presente” uma vaga no Banco Mundial, mas não saiu sem, antes, anular uma portaria que estabelecia cotas para negros e indígenas nos programas de pós-graduação das universidades brasileiras. Um arremate para uma gestão marcada por atos que apequenaram a função.

    A gestão de Weintraub incluiu a demora do Ministério da Educação em decidir sobre o adiamento do Enem, medida necessária para garantir igualdade de condições de concorrência a milhares de jovens que não têm acesso a meios não convencionais de estudo durante a pandemia. O ministério só atendeu ao pedido depois de pressionado pelo Congresso Nacional.

    No ano passado, outro problema com o Enem: uma confusão com os gabaritos prejudicou as notas de 5 mil estudantes, e o caso foi parar na Justiça.

    O ministro, que deveria impulsionar as universidades e institutos federais, patrimônio da educação pública brasileira, tinha predileção por atacá-los. Durante o episódio do corte de verbas às instituições federais, falou em reduzir os recursos para instituições que fizessem “balbúrdia”. Chegou a dizer que as universidades mantinham plantações de maconha e laboratórios para produção de drogas. 

    Por fim, queria ter plenos poderes para nomear reitores durante a pandemia, criando a figura do ‘reitor biônico’ em plena democracia. A polêmica levou o governo a voltar atrás.

    O Ministério também está às voltas com a inércia em relação ao Fundeb, o fundo que é repassado a estados e municípios para a educação básica. O modelo de financiamento vence este ano, e até agora não há definição sobre o futuro. 

    Isso tudo para ficarmos apenas no âmbito da Educação, porque Weintraub também conseguiu causar polêmicas até com a política externa do país e tem problemas sérios com a língua portuguesa. Me ative à gestão do Ministério porque foi para isso que o salário dele foi pago, todo mês, pelos brasileiros.

    A gestão de Weintraub é uma prova do estrago que a nomeação ideológica pode trazer a setores estratégicos do país. Para o olavista ex-ministro da Educação, o que estava em jogo era a narrativa, o simbolismo. Sai do ministério deixando a sensação de que, ao invés de realizações, deixou um rastro de desfeitos.

    O anúncio da saída do ministro suscitou comemoração entre os mais otimistas. Pois lembro aos desavisados que o primeiro ministro da Educação do atual governo, Vélez Rodríguez, era outro membro da ala olavista, para quem a solução para os problemas da educação no país incluía cantar o hino nas escolas. Saiu Vélez, entrou Weintraub. 

    Não há motivo para comemorar a troca enquanto a política do governo para a Educação for ideológica.

    Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas