nsc
nsc

Nova Veneza

Com o reforço de um bezerro, vem aí a versão 2022 da Rifa da Fazendinha em SC

Compartilhe

Denis
Por Denis Luciano
31/12/2021 - 08h43 - Atualizada em: 31/12/2021 - 11h28
A escola da Rifa da Fazendinha virou atração em Nova Veneza
A escola da Rifa da Fazendinha virou atração em Nova Veneza (Foto: Leonardo Gava / Prefeitura de Nova Veneza)

O grande sucesso de 2021 vai voltar — e com o reforço de um bezerro. É a expectativa na Escola Municipal do Bairro Bortolotto, em Nova Veneza, Sul de Santa Catarina. O

 local tornou-se um ponto de visitação na cidade de 15 mil habitantes desde quando viralizou com a Rifa da Fazendinha, a campanha lançada despretensiosamente, para garantir o Dia das Crianças da comunidade, e acabou se transformando em evento de repercussão internacional.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Uma nova versão da rifa ocorrerá em 2022. 

— Em julho. Vamos fazer sim - confirma a diretora da escola, Jussara Sávio. 

— Recebemos muitas ofertas de prêmios, dos mais diferentes, mas não vamos descaracterizar. Continuaremos com os mesmos prêmios.

Mas haverá uma novidade: um bezerro será incluído. 

— Nas outras rifas já tivemos a oferta de bezerros, mas não deu pra colocar. Ninguém se animou a ir lá buscar comigo. Mas dessa vez vai ter.

Com o acréscimo do bezerro, a rifa de 2022 vai oferecer porcos, pato, salame, queijo, angolista, peixes, ovos, cuca e torresmo. 

— E [também] a choca com os pintinhos, que foi um xodó do sorteio passado — lembra a diretora. 

> Queima de fotos e shows: tudo sobre o Réveillon em SC

Com a rifa de 2021 a escola arrecadou R$ 97.798, resultado da venda de 48.899 bilhetes entre agosto e setembro. 

— Levamos todos os nossos mais de 400 alunos à pizzaria, fizemos a Rua do Lazer para as crianças, colocamos aparelhos de TV em todas as salas de aula e ainda sobrou um dinheirinho. E com a economia que fizemos, as próximas festas estão garantidas — informa Jussara.

No auge da venda dos bilhetes, a escola viveu um momento único. 

— Éramos em seis trabalhando dia e noite, precisamos reforçar a equipe para receber tantos pedidos. Fizemos vendas para todos os estados do Brasil e para muitos países da Europa, das Américas e até da Ásia. Agora devemos entender que a Rifa da Fazendinha é um evento internacional. E ficou um legado para a escola, estamos muito felizes. Até hoje a escola recebe visitantes informando que querem conhecer a escola da fazendinha — detalha.

A equipe enfrentou dificuldade para entregar um dos prêmios. Yann Barros de Ferrari, de Campinas (SP), fez um PIX para a escola e foi localizado nos Estados Unidos. 

— Entregamos os prêmios dele, que foram um pato, um salame e um queijo, para a sogra dele em Campinas. Todos os ganhadores receberam. E nossa preocupação com a questão sanitária foi cumprida à risca, deu tudo certo.

Leia também:

> A troca da bandeira que causou polêmica entre árabes de Criciúma

> Estado suspende edital para obras no Anel Viário de Criciúma

> A jornada do macaco bugio que atravessou o Centro de Criciúma

Denis Luciano

Colunista

Denis Luciano

Jornalista com longa experiência no rádio e no digital, Denis Luciano aborda os principais assuntos do Sul catarinense, uma das regiões mais relevantes no Estado.

siga Denis Luciano

Denis Luciano

Colunista

Denis Luciano

Jornalista com longa experiência no rádio e no digital, Denis Luciano aborda os principais assuntos do Sul catarinense, uma das regiões mais relevantes no Estado.

siga Denis Luciano

Mais colunistas

    Mais colunistas