nsc
    nsc

    Impostos

    Apesar da pandemia, arrecadação de SC cresce 8% em julho

    Compartilhe

    Estela
    Por Estela Benetti
    05/08/2020 - 10h29
    O secretário da Fazenda, Paulo Eli, reconhece recuperação
    O secretário da Fazenda, Paulo Eli, reconhece recuperação (Foto: Paulo Gotelip, Divulgação)

    Depois de registrar perda de arrecadação tributária por quatro meses, de março a junho, Santa Catarina fechou o mês de julho com crescimento, apesar de o Estado ter entrado no período mais crítico da pandemia. O levantamento da Secretaria de Estado da Fazenda apurou receita de R$ 2,3 bilhões no período, uma alta de 8% na arrecadação total em relação ao mesmo mês do ano passado.

    Eleição da Facisc em setembro pode ter disputa entre duas chapas

    O ICMS, imposto que responde pela maior parte da receita, registrou crescimento de 9% em julho na comparação com o mesmo mês do ano passado e somou R$ 1,8 bilhão. O crescimento representou um acréscimo de R$ 200 milhões neste ano. No período de março a junho, a Fazenda apurou que a pandemia do novo coronavírus causou um impacto negativo de 11,3% em relação às expectativas para o período caso não tivesse ocorrido a doença.

    O secretário de Estado da Fazenda, Paulo Eli, avaliou que o resultado de julho mostra uma retomada da economia do Estado, mesmo sob os impactos do novo coronavírus, informou a secretaria. Ele observou também que a pasta trabalha para manter as contas em dia, em especial os recursos para a saúde.

    O mês de julho mostrou uma recuperação gradativa, superando a perda do mês anterior, junho, quando o Estado alcançou receita total de R$ 2,1 bilhões, com queda de 9,6% frente ao mesmo mês de 2019. Em junho, o ICMS teve queda de 15,6% frente ao mesmo mês do ano passado e, em julho, cresceu 9%, o que indica recuperação expressiva.

    Mas o resultado do mês passado poderia ter sido ainda melhor caso a pandemia não tivesse acelerado tanto no Estado. Diversos setores do comércio e serviços, ao longo do mês, informaram que as vendas caíram porque as pessoas saíram menos de casa, para se proteger do novo coronavírus.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas