nsc
    nsc

    Cuidados nas empresas

    Decreto federal trará normas de  prevenção à Covid-19 em frigoríficos

    Compartilhe

    Estela
    Por Estela Benetti
    31/05/2020 - 14h31 - Atualizada em: 31/05/2020 - 14h33
    Processamento de frango no Oeste de SC Foto:Sirli Freitas, DC, BD
    Processamento de frango no Oeste de SC Foto:Sirli Freitas, DC, BD

    Em contato com lideranças catarinenses neste sábado durante articulações pela defesa da reabertura da unidade de Ipumirim da Seara Alimentos, a ministra da Agricultura, Teresa Cristina, informou que a pasta vai divulgar na segunda-feira um decreto interministerial com normas ao setor. Será um documento detalhado com regras para prevenção da Covid-19 nas agroindústrias de carnes. A coluna antecipou que a maioria são medidas com base nas regras da Organização Mundial da Saúde e do Ministério da Saúde que já estão nos protocolos em vigor para as empresas.

    Esse decreto interministerial foi elaborado pela pasta da Agricultura com a participação da Secretaria do Trabalho do Ministério da Economia, mas teve também a colaboração do Ministério da Saúde. As normas envolvem principalmente proteção individual e distanciamento. O setor produtivo também foi ouvido sobre o assunto. Quando não é possível distanciamento de 1,5 metro entre pessoas, serão necessárias barreiras físicas como máscara e face shield.

    Há uma atenção maior com frigoríficos no momento, mas como quase todos os setores econômicos retomaram atividades em boa parte do Brasil, essa questão de distanciamento e equipamentos é desfio também para outros setores empresariais.

    Reabertura da unidade de Ipumirim

    A decisão da juíza do Trabalho de Concórdia, Paula Naves Pereira dos Anjos, por meio de despacho sábado, de autorizar a reabertura da unidade da Seara, do Grupo JBS, em Ipumirim trouxe um alívio ao Estado. Um temor era causar um grande problema ambiental com abate sanitário de 650 mil aves. Outro risco era o de fechamento da unidade que é a maior empregadora do município e da região, com 1,5 mil postos de trabalho diretos. A defesa da reativação da unidade veio de diversos lados.

    Quando a JBS enviou comunicado à secretaria de Agricultura, sexta-feira (29-05), solicitando as condições para fazer abate sanitário, o próprio governador Carlos Moisés entrou em ação, fazendo contatos com autoridades estaduais e o Ministério da Agricultura. A bancada federal catarinense também foi acionada, principalmente pelos prefeitos da região.

    Após a confirmação da reabertura, o governador afirmou que a desinterdição da planta foi uma decisão acertada. Lembrou que o setor agroindustrial tem grande importância econômica para Santa Catarina e falou que os frigoríficos estão comprometidos em respeitar as normas sanitárias determinadas pelo governo estadual.

    - Trabalhamos para garantir a saúde dos trabalhadores do campo e da agroindústria. A condição sanitária de Santa Catarina é reconhecida mundialmente e nossa intenção é manter esse status, mesmo com a pandemia - disse Carlos Moisés em mensagem pelo Twitter.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas