nsc
    nsc

    Prevenção

    Florianópolis sedia projeto-piloto nacional de atenção primária à saúde

    Compartilhe

    Estela
    Por Estela Benetti
    04/08/2020 - 05h00
    Clínica APS de Florianópolis, onde o atendimento é de qualidade
    Clínica APS de Florianópolis, onde o atendimento é de qualidade (Foto: Divulgação)

    A Grande Florianópolis foi escolhida pela Bradesco Saúde e a Mediservice, empresas do Bradesco Seguros, para sediar o projeto-piloto nacional do Programa de Atenção Primária à Saúde (APS). Ele será desenvolvido em parceria com a Qualirede, da Capital, por meio da Clínica APS. O lançamento será nesta terça-feira pela diretoria das empresas, em evento virtual a lideranças da área da saúde.

    SC tem 1.196 mortes por coronavírus no total e 88,8 mil casos confirmados, diz Estado

    Pelo programa, 30 mil segurados receberão acompanhamento médico em modelo de atendimento semelhante ao do Programa Saúde da Família, que foi inspirado no sistema inglês, exemplo internacional de sucesso em medicina preventiva. O objetivo é acompanhar o histórico dos pacientes, fazer controle de doenças crônicas e prevenção à saúde. O programa terá uma equipe médica para cada 2,5 mil vidas e um sistema de inteligência artificial que acompanhará as informações para fazer alertas. A expectativa das duas empresas é de que com a gravidade da pandemia, as pessoas tenham mais interesse em aderir ao programa.

    De acordo com o superintendente de Gestão da Rede Referência da Bradesco Saúde, Paulo Cesar Prado Junior, há algum tempo a empresa tinha plano para desenvolver um programa de saúde preventiva. Está colocando a ideia em prática porque viu na Qualirede um prestador que pode entregar uma assistência diferenciada, voltada para o cuidado central do paciente.

    - A escolha de Florianópolis para testar esse modelo é muito interessante porque temos na cidade uma condição de saúde até superior à média do país. Temos perto de 30 mil vidas na região metropolitana. Não é um número gigantesco, mas também não é tão pequeno que impede de ter os resultados do modelo num prazo necessário – explicou Prado Junior.

    A cultura de saúde preventiva da Qualirede e a experiência da Clínica APS foram importantes na definição dessa parceria com a Saúde Bradesco. De acordo com André Machado Junior, diretor de Mercado da Qualirede, dados de uma das clínicas de atenção primária da empresa mostraram redução média de desperdícios de 30%. Isso foi possível com uma gestão melhor de exames e evitando procedimentos cirúrgicos sem necessidade.

    Quando se fala em medicina preventiva, as referências são da Organização Mundial da Saúde (OMS). A entidade informa que o atendimento primário permite solucionar 80% das necessidades de atendimento médico da maioria da população, além de reduzir o número de internações em 17%. O esforço da medicina preventiva visa que as pessoas tenham vida longa, mas sem problemas graves de saúde.

    - Se a gente olhar dados brasileiros, 40% da população adulta tem uma ou mais doenças crônicas instaladas. E as próprias doenças crônicas têm sido o principal fator de óbito de Covid-19. Do total, 72% das mortes estão relacionadas a isso. Se a gente cuidar das pessoas em todas as fases da vida, parar de olhar a queixa do momento, a chance de eu fazer com que ela viva melhor, com mais qualidade de vida é muito mais alta – argumenta André Junior.

    Depois de Florianópolis, as próximas cidades que receberão o Programa de Atenção Primária à Saúde serão São Paulo, Salvador e Belo Horizonte. Conforme Prado Junior, em Santa Catarina o município de Joinville pode ser contemplado numa próxima fase porque é onde a Bradesco Saúde atende mais vidas e a Qualirede conta com unidade na cidade.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas