nsc
nsc

Tecnologia na agropecuária

Governo Moisés pretende ampliar o apoio aos agricultores familiares

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
02/01/2019 - 04h00
novo secretário
(Foto: )

O novo secretário de Estado da Agricultura, Ricardo Gouvêa (D), aproveitou o evento da posse do novo governo, terça-feira, na Assembleia Legislativa para conversar um pouco com o antecessor, Airton Spies (E). Conforme Gouvêa, um dos direcionamentos do governador Carlos Moisés é ampliar o apoio ao produtor da agricultura familiar com oferta de mais tecnologia para que melhore a produtividade e a renda. Outra prioridade será a preservação do status sanitário do Estado, que é livre de aftosa sem vacinação. 

– Temos que preservar a sanidade do Estado de Santa Catarina. É estratégico manter o atual status sanitário e até melhorar porque este ano teremos um desafio a mais: o Estado do Paraná está tirando a vacinação contra aftosa.  Isso nos coloca num a fase de mais atenção porque pode ter casos da doença, por isso teremos que fortalecer nossos controles de fronteiras – diz Gouvêa.  O novo secretário também disse que a infraestrutura seguirá como prioridade do agronegócio porque o setor precisa escoar a produção e também ter acesso a grãos.    

Carga tributária

Entre os que acompanharam a posse de Carlos Moisés terça, na Assembleia Legislativa estavam o presidente da Federação das Empresas de Comércio de Bens e Serviços (Fecomércio –SC), Bruno Breithaupt. O empresário gostou do discurso do novo titular da Casa D’Agronômica, especialmente quando prometeu melhorar a infraestrutura do Estado. Questionado sobre o que é prioridade também para a Fecomércio, Breithaupt disse que é não elevar a carga tributária e dar atenção ao Turismo, que tem forte relevância para a economia catarinense.   

Melhores rodovias

O presidente da Federação das Empresas de Transporte e Logística (Fetrancesc) Ari Rabaiolli, ficou atento às promessas para logística. Disse que é uma prioridade do setor e é preciso destravar a demora das duplicações das BRs 470 e 280. Chamou atenção dele a informação reiterada pelo governador que deixou o cargo, Eduardo Moreira, de que deixou de tapar buracos para poder investir mais em saúde. Para Rabaiolli, as rodovias com obras atrasadas deveriam ser concedidas à iniciativa privada logo. Ele também defende a construção de uma nova rodovia privada entre Indaial e Brusque, para deixar a 470 para a região de Blumenau.   

Joinville e a saúde

Uma das poucas cidades médias do país que têm um hospital municipal que atende medicina de alta e média complexidade, Joinville, a maior cidade de SC, precisa reduzir um pouco esse fardo. O prefeito Udo Döhler esteve entre as autoridades que participaram da posse terça-feira e cumprimentaram os novos titulares do executivo estadual. Disse que quando puder, falará sobre o tema com o governador Carlos Moisés. Hoje, o município gasta 41% da receita com saúde.

O ex-governador Eduardo Moreira já havia prometido assumir a metade da folha do Hospital São José, que custa R$ 12 milhões por mês. Ajudou menos e a demanda continua.  O plano é gastar de 20% a 22% em saúde. Cabe ao município fazer a atenção básica à saúde, não alta e média complexidade.  Conforme Döhler, a cidade precisa também de infraestrutura.  

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas