nsc
    nsc

    Opinião

    Moisés empossa titulares da pasta de Desenvolvimento; o que devem priorizar

    Compartilhe

    Estela
    Por Estela Benetti
    22/06/2020 - 10h20 - Atualizada em: 22/06/2020 - 10h25
    Sexta-feira, Moisés (C) recebeu Rogério Siqueira (E) e Ricardo Stodiek (D) para confirmar que aceitaram entrar no secretariado Foto: Julio Cavalheiro, Secom, Divulgação
    Sexta-feira, Moisés (C) recebeu Rogério Siqueira (E) e Ricardo Stodiek (D) para confirmar que aceitaram entrar no secretariado Foto: Julio Cavalheiro, Secom, Divulgação

    O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés, empossa hoje, às 14h, os dois novos titulares da Secretaria de Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDE). O executivo Rogério Siqueira, de Joinville, que atuou em empresas industriais, de serviços e turismo (Tigre, Reunidas e Beto Carrero World), é o novo secretário; e Ricardo Stodieck, de Blumenau, empresário do setor de turismo ecológico e ex-presidente da Villa Germânica, é o novo secretário adjunto da pasta.

    Eles assumem uma secretaria que estava um tanto fechada para o setor produtivo sob a liderança do então secretário Lucas Esmeraldino. O desafio dos novos titulares é fazer uma gestão mais aberta, com mais interlocução com a sociedade, atendendo demandas pontuais em função da pandemia e também dando continuidade a investimentos.

    O grande plano estratégico que precisa acelerar obras é o dos 13 centros de inovação, especialmente nas cidades que mais necessitam desses empreendimentos. Foram lançados em 2014 e apenas dois foram inaugurados, o de Lages e o de Jaraguá do Sul. O Orion Parque, de Lages, já mostra a que veio. Está acelerando o setor de tecnologia no Planalto Serrano. Isso fica claro em programas de incentivos a startups do Estado, onde a região começou a ter uma participação destacada.

    Com essa mudança na SDE, pode-se concluir que o governo do Estado conta, agora, com uma equipe econômica experiente e afinada com seus públicos. Em abril, o empresário Leandro "Mané" Ferrari assumiu a Santur e está desenvolvendo novos projetos ao setor. O governo também escolheu um empresário como secretário da Casa Civil, Amandio João da Silva Junior, que está fazendo interlocução com políticos e empresários. Além disso, conta com nomes fortes em outras duas pastas estratégicas para a economia: na Fazenda está o secretário Paulo Eli, que coordena os temas econômicos ligados à pandemia; e na Agricultura e Pecuária está Ricardo Gouvêa, um executivo que é profundo conhecedor do agronegócio de qualidade e competitivo desenvolvido no Estado.

    Com essa equipe, o governador Carlos Moisés fará a sua parte se, também, ouvir mais o setor produtivo e acatar a maioria das sugestões. Tem projeto de criação de um conselho para ouvir entidades estaduais. Uma gestão que considera muitas ideias, traz resultados de desenvolvimento econômico e social muito maiores e melhores do que algo fechado e centralizado. A história mundial mostra isso e Santa Catarina tem a economia mais dinâmica do Brasil porque conta com essa participação coletiva, calcada principalmente em forte associativismo empresarial, que sempre teve boa interlocução com governos e com parlamentares.

    Mais colunistas

      Mais colunistas