nsc

publicidade

Sustentabilidade

"Numa ilha, você está importando sua eletricidade e exportando seu lixo"

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
08/11/2019 - 03h31 - Atualizada em: 08/11/2019 - 10h49
O professor Tan Yigitcanlar em palestra no KCWS Foto: KCWS, Divulgação
O professor Tan Yigitcanlar em palestra no KCWS Foto: KCWS, Divulgação

É preciso inovar para as cidades serem mais sustentáveis tanto na economia quanto na preservação ambiental. Essa foi a mensagem principal de especialistas que participaram da 12ª edição do Knowledge Cities World Summit (KCWS), Cúpula Mundial das Cidades do Conhecimento e Sustentáveis, realizada esta semana em Florianópolis, numa iniciativa da Câmara de Tecnologia e Inovação da Fecomércio-SC.

Um dos mais renomados especialistas globais em cidades do conhecimento, o professor Tan Yigitcanlar, da Queensland University of Technology (QUT), da Austrália, afirmou que há desafios globais crescentes e as cidades inteligentes e sustentáveis são o caminho para enfrenta-los. Ele alertou, por exemplo, que os impactos de ocupação de uma ilha geram efeitos em outras regiões, num recado para Florianópolis.

- Se você está numa ilha, significa que você está importando sua eletricidade e você está exportando seu lixo. Talvez Florianópolis seja uma ótima cidade para viver, mas sua atividade está impactando outras pessoas e outras cidades de Santa Catarina. Então, precisamos considerar como podemos estabelecer cidades com o mínimo de impacto ao seu entorno e trazer o máximo de impactos positivos para as sociedades – recomendou Tan Yigitcanlar.

O professor mostrou preocupação com a série de protestos em diversas cidades do mundo. Citou Santiago, no Chile, que enfrenta crise econômica. Para ele, o mundo está enfrentando um desafio climático global e essa crise precisa ser endereçada.

- O que a gente pode fazer é melhorar a educação, aumentar a base do conhecimento, motivar práticas sustentáveis, mudar o comportamento das grandes empresas e buscar soluções inovadoras para atingir resultados sustentáveis. Resultados sustentáveis em termos de desenvolvimento socioeconômico. Abordagens sustentáveis para boas governanças. Sistemas de governança que vêm com um planejamento consensual, que é implementado de maneira efetiva e que traga os resultados desejados para as nossas cidades, regiões, nações e para nosso planeta – aconselhou ele.

Atitudes do dia a dia

O professor Tan disse para a coluna que o maior desafio é as pessoas mudarem a mentalidade, pensando como suas atitudes do dia a dia impactam na sociedade. No caso de serviços públicos, ele recomendou atenção sobre o quanto são sustentáveis, o quanto, a longo prazo, eles são planejados para ser e que bons resultados eles trazem para a sociedade.

- É preciso começar com a educação e com os sistemas de infraestrutura, direcionar boas práticas de governança, com transparência, incorporar inovações e assim atingir resultados sustentáveis que fazem cidades brasileiras, como Florianópolis, competitivas regionalmente, nacionalmente e internacionalmente. Então, devemos construir locais desejáveis que as pessoas queiram visitar, queiram vir fazer negócios, queiram colaborar com as empresas e a população local, isso é muito importante – afirmou.

Atento aos impactos do consumismo no meio ambiente, o especialista disse que é preciso estabelecer mecanismos para os negócios florescerem, mas não criar consumidores que mudam de celular a cada dois ou três anos, usando muito plástico e poluindo as cidades. Para ele, as cidades precisam se aproximar do zero desperdício ou serem ambientalmente amigável.

Deixe seu comentário:

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade