nsc
nsc

Economia em alta

PIB de SC cresce 3,7% em 2018; estado mantém posição de 6ª maior economia do país

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
13/11/2020 - 14h09 - Atualizada em: 13/11/2020 - 16h42
Locação de imóveis foi um dos serviços que ajudaram na alta do PIB
Locação de imóveis foi um dos serviços que ajudaram na alta do PIB de SC (Foto: Gabriel Lain, NSC, BD)

Santa Catarina obteve em 2018 crescimento de 3,7% no Produto Interno Bruto (PIB), a quarta maior alta em volume do Brasil e a primeira da Região Sul. Em valores correntes, o PIB chegou à cifra de R$ 298,23 bilhões, o que manteve SC na 6ª posição do ranking das maiores economias do Brasil com um aumento de 4,2% para 4,3% do total. Os dados são do Sistema de Contas Regionais divulgado nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e foram analisados pela equipe econômica do governo de SC. Eles correspondem ao PIB oficial do estado, que sai com atraso de dois anos.

Os maiores crescimentos em 2018 foram alcançados pelos estados do Amazonas (5,1%), Roraima (4,8%), Mato Grosso (4,3%) e depois SC (3,7%). O PIB per capita de Santa Catarina ficou em R$ 42,149, o quarto maior do Brasil, atrás do Distrito Federal, São Paulo e Rio de Janeiro. Na semana passada, o IBGE divulgou a atualização do PIB brasileiro de 2018, elevando para 1,8%. Mesmo assim, a economia catarinense cresceu mais do que o dobro da média nacional.

Máquinas e têxteis puxam alta da indústria de SC, que cresce 4,5% em setembro

De acordo com o IBGE, os destaques da economia de SC em 2018 foram a indústria de transformação, comércio e recuperação de veículos e atividades imobiliárias. A agropecuária respondeu por 5,5% PIB (6,1% em 2017) e teve crescimento de 4,3%. A indústria cresceu 3,3% e respondeu por 26,7% do PIB estadual. Já os serviços, que incluem o comércio, representaram 67,7% do PIB de SC em 2018, com avanço sobre o ano anterior, quando respondeu por 66,9% do total. Um destaque foi o crescimento de 4,5% das atividades imobiliárias, com aluguel de imóveis próprios.

O comércio, individualmente, respondeu por 16,1% do total do PiB estadual em 2018, enquanto no ano anterior, 2017, representou 15,8%. Também passaram a responder por maior participação do PIB estadual os setores de transportes, serviços de alimentação, atividades técnicas, educação, saúde privada, cultura e esporte.

Para o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico Sustentável, Rogério Siqueira, esse crescimento de SC acima da média do país resulta de uma economia com polos em diversos setores da economia. Segundo ele, o governo ajuda a dinamizar a atividade econômica.

O economista Paulo Zoldan, da Secretaria de Estado de Desenvolvimento, que acompanha os dados da economia estadual e faz projeções, comemorou o fato de que o PIB oficial ficou bem próximo da estimativa de 3,6% de crescimento, feita por ele e equipe para 2018. No ano anterior, de 2017, SC cresceu 4,2%, também uma variação expressiva frente ao PIB nacional, que teve alta de 1,3% no período.

- O ano de 2018 foi o terceiro consecutivo em que Santa Catarina teve desempenho superior à média nacional. Os dados de 2019 e 2020 apontam que essa tendência continua – afirmou Zoldan.

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas