nsc
nsc

Logística

Porto de Imbituba cresce 10% em cargas e prevê impulso com a BR-285 

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
05/01/2020 - 20h56 - Atualizada em: 06/01/2020 - 07h39
Vista aérea do Porto de Imbituba Foto: Divulgação
Vista aérea do Porto de Imbituba Foto: Divulgação

Com maior movimento de importações, 47,3% do total, o Porto de Imbituba, no Sul de Santa Catarina, encerrou 2019 com crescimento recorde de volume movimentado, 10% frente ao ano anterior. Foram 5,7 milhões de toneladas frente a 5,2 milhões no ano anterior, 2018, informa a administração do porto liderada pela SCPar. As exportações responderam por 38% do total e a cabotagem, por 14,7%.

Para este ano, a expectativa é de movimento maior em função da retomada da economia e da conclusão das obras na BR-285, completando ligação do Sul de SC até São Borja, cidade do RS na fronteira com a Argentina, num total de 744,3 quilômetros.

O recorde mensal no movimento de cargas foi alcançado em março, com 592 mil toneladas. Segundo a administração do porto, contribuíram para o aumento de atividades o retorno da operação de cargas de malte e minério de ferro, alta de 19,8% na movimentação de granéis sólidos e a ampliação da cabotagem de contêineres em 24,8%. No caso dos granéis sólidos, as cargas de milho cresceram 417% e de uréia, 1.200%. A cabotagem vem crescendo tanto para entregas de cargas no litoral do Brasil, quanto no Mercosul.

De acordo com o presidente da SCPar Porto de Imbituba, Jamazi Alfredo Ziegler, o crescimento alcançado em 2019 é resultado do esforço conjunto da Comunidade Portuária de Imbituba. Segundo ele, os diversos players que integram o ecossistema portuário influenciaram positivamente para o crescimento no ano.

Os maiores volumes movimentados em 2019 foram de soja (11,7% do total movimentado), contêineres (14,6%), milho (16,6%) e coque de petróleo (18,4%). A exportações de toras de madeira também tiveram destaque, respondendo por 2,9% do total de atividades.

Nova ligação com o RS

O bom desempenho em grãos anima os dirigentes do terminal sobre a possibilidade de vir mais cargas do Rio Grande do Sul para Imbituba. Isso porque a região Noroeste gaúcha, por onde passa a BR-285 até São Borja, é grande produtora de grãos, e o Nordeste do RS é forte na indústria.

O trecho que falta para concluir a BR-285 fica na Serra da Rocinha, entre Timbé do Sul (SC) e São José dos Ausentes (RS).

O RS tem um único porto, o de Rio Grande, que é um dos maiores do Brasil. De janeiro a novembro movimentou 38,2 milhões de toneladas, principalmente de grãos.

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas