nsc
nsc

Saúde

Prevenir doenças da mente reduz perdas bilionárias 

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
11/05/2018 - 03h50 - Atualizada em: 11/05/2018 - 16h10
(Salmo DUarte, A Notícia)

Preservar a saúde é um grande investimento, especialmente quando se trata de evitar doenças da mente como stress, depressão, ansiedade e outras. Esse desafio, que nos últimos anos entrou no radar de ações da Federação das Indústrias do Estado (Fiesc), foi destaque nesta quinta-feira (10) na Expogestão, em Joinville, em palestra do neurologista Fabiano Moulin, que abordou o tema Cérebro, nosso guia pela jornada da vida. Segundo ele, os Estados Unidos tiveram que destinar US$ 800 bilhões em 2010 para tratar doenças da mente e os custos indiretos chegaram a US$ 1,7 trilhão. Em 2030, os custos totais, diretos e indiretos aos americanos, poderão chegar a R$ 6 trilhões.

Conforme Moulin, 50% das pessoas que trabalham terão algum problema mental durante a vida e um dos desafios é que muitos fazem questão de não reconhecer a doença. Ele afirmou que de cada US$ 1 investido em prevenção, há ganho de US$ 6. Em primeiro lugar, a prevenção inclui alimentação saudável, prática de atividade física e bom período de sono. E quando as doenças aparecerem é preciso procurar ajuda especializada. 

O empresário Alonso Torres, organizador das 16 edições da Expogestão, explica que os cuidados com a saúde da mente sempre entram na pauta do congresso porque é preciso seguir a lógica da orientação dos comissários de voo. 

— Em caso de acidente, primeiro coloque a máscara em você para depois ajudar os outros – diz, o que significa que o líder precisa estar bem para desenvolver seu negócio, gerando resultados econômicos e sociais positivos. 

Veja também: Piangers fala sobre o impacto da tecnologia na vida: "Se algo vai nos diferenciar é ser empático e humano"

Luciano Szafir visita a Expogestão

 

Pela educação Com ensino fundamental entre os melhores do país, Joinville, a maior cidade do Estado, amplia ações para melhorar a segurança também via educação. Presente no congresso empresarial, o secretário de Proteção Civil e Segurança Pública do município, Bráulio Barbosa, está confiante de que isso será alcançado com o Programa Escola Cidadã, iniciado este ano. 

 

Peças lá fora Embalada pela alta demanda por máquinas pesadas, especialmente nos EUA, a Tupy, de Joinville, fechou o primeiro trimestre com receita líquida de vendas de R$ 1 bilhão, um recorde para a companhia. O lucro líquido alcançou R$ 56,9 milhões.

 

Ainda da Encol A construtora Fontana, de Criciúma, entregou esta semana mais um edifício em Florianópolis que estava sendo feito pela Encol há 25 anos e foi suspenso devido à falência do grupo paulista. Este foi o segundo da Encol recuperado na capital pela companhia de Olvacir Fonana.     

Em alta  O grupo Pereira, de Itajaí, dono das marcas Fort Atacadista e Comper, passou da oitava para a sexta posição no ranking das maiores empresas supermercadistas do país, segundo levantamento da Abras, a associação do setor. O vice-presidente comercial do grupo, João Pereira, participou da revelação do ranking em SP. 

 

Leia outras publicações de Estela Benetti

Leia mais:

"Quem não acha tempo para a saúde, vai ter que arrumar para doença", diz neurologista

Mudanças corporativas se baseiam em comportamento e métricas, explica o executivo Peter Walker

"A transformação digital pode ser uma oportunidade", diz palestrante 

 

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas