nsc
    nsc

    Pnad Contínua

    Santa Catarina tem a melhor distribuição de renda do país

    Compartilhe

    Estela
    Por Estela Benetti
    17/10/2019 - 05h35 - Atualizada em: 17/10/2019 - 08h24

    A pesquisa Pnad Contínua – Rendimentos de todas as fontes 2018, divulgada nesta quarta-feira (16) pelo IBGE, em diversos dados mostrou que Santa Catarina tem a mais equilibrada distribuição de renda do Brasil, apesar de conter os mesmos problemas de concentração registrados nas últimas décadas no país.

    A média do Estado ficou em R$ 2.328 por mês no ano passado, com retração de -0,9% frente a 2017, quando somou R$ 2.363. Santa Catarina teve a sexta maior renda do Brasil em 2018. A média nacional ficou em R$ 2.166.

    Entre os números que mostram a melhor distribuição de renda no Estado está o fato de SC ter o maior percentual do país de pessoas com renda do trabalho, 50,1%, o que significa 3.540 milhões do total de residentes de 7.064 milhões. Entre os 10% da população com os menores rendimentos mensais reais, a maior média foi de Santa Catarina: R$ 626.

    E entre os 10% mais ricos, o rendimento mensal real ficou em R$ 7.798, o que equivale a 12,6 vezes maior do que os R$ 626 dos 10% mais pobres. Essa diferença foi a menor do Brasil. No país, a diferença entre os mais ricos e os mais pobres alcançou nada menos do que 36,9 vezes.

    É claro que em nem todos indicadores SC cresceu mais ou foi melhor, mas as menores diferenças de renda significam que o Estado é mais justo.

    Acordo

    A reunião de líderes da Associação dos Frigoríficos Independentes de Santa Catarina (Afisc) com o secretário de Estado da Fazenda, Paulo Eli, nesta quarta-feira, resultou em um acordo para que o segmento volte a ter uma alíquota de ICMS competitiva no Estado. Como as diferenças de alíquotas envolvem cálculos complexos, a Fazenda precisará de um prazo para estudar solução.

    Afisc
    Reunião de líderes da Associação dos Frigoríficos Independentes de Santa Catarina
    (Foto: )

    – Semana que vem vamos achar a fórmula. A gente tem que manter a indústria catarinense bem competitiva. Hoje ela está sofrendo concorrência desleal de outros Estados – afirmou Paulo Eli.

    Segundo ele, logo que for definida a mudança, ela será adotada porque os produtores do Estado estão enfrentando dificuldades para vender. Cerca de 50 empresários (foto) de pequenos frigoríficos foram até a Fazenda nesta quarta-feira.

    Dificuldades

    A mudança de alíquota de ICMS que motivou a reunião na Secretaria da Fazenda, ontem, entrou em vigor em agosto deste ano. Ela acabou deixando mais competitiva em SC carne de frango e suíno de fora do que a produzida no Estado, embora a intenção tenha sido o contrário. Para empresas do Simples, ficou mais barato comprar carne de outros Estados do que pagar os 12% de ICMS local.

    Solução agradou

    Empresários do setor de carnes que vieram de todas as regiões do Estado ficaram satisfeitos com a solução.

    – O secretário Paulo Eli se mostrou sensibilizado com a nossa situação e nos prometeu uma solução imediata. Saímos da reunião muito contentes – disse Miguel do Valle, um dos líderes da Afisc.

    O empresário Wolmir de Souza, presidente do Instituto Nacional da Carne Suína (INCS), observou que, com a atual tributação, é mais vantagem vender animais vivos fora de SC. Os deputados Moacir Sopelsa e Valdir Cobalchini acompanharam a reunião.

    Caminhões elétricos

    A multinacional WEG, de Jaraguá do Sul, informa que integra o e-Consórcio anunciado em São Paulo ontem pelo CEO da Volkswagen (VWCO), Roberto Cortes, para a fabricação do primeiro caminhão leve 100% elétrico do Brasil.

    A empresa de Santa Catarina também será a fabricante do sistema Powertrain, integrado por motor elétrico de tração, mais um inversor de frequência, para a família de caminhões e-Delivery, da VWCO. Além disso, fornecerá motores elétricos e inversores para sistemas auxiliares.

    Segundo a WEG, esta é uma sequência da parceria que mantém com a Volkswagen Caminhões e Ônibus.

    Tecnologia

    Com programação intensiva voltada ao uso da tecnologia na saúde, abre hoje à noite e vai até amanhã, em Florianópolis, o Summit ACM 2019. O evento vai reunir médicos, profissionais de tecnologia e da saúde, CEOs e gestores de empresas e startups voltadas ao setor. O convidado especial é o especialista em gestão em saúde de Israel, Ben Harel.

    Segundo o presidente da Associação Catarinense de Medicina (ACM), Ademar de Oliveira Paes, o objetivo é falar sobre soluções tecnológicas existentes e também oportunizar a criação de soluções no hackathon do evento.

    Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas