nsc
nsc

Mercado na pandemia

Taxa de desemprego de SC sobe para 6,2%, mas segue a menor do país

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
27/05/2021 - 08h44
Setor de confecções é um dos que mais empregam
Setor de confecções é um dos que mais empregam em SC (Foto: Patrick Rodrigues, Divulgação)

Santa Catarina encerrou o primeiro trimestre deste ano com taxa de desemprego de 6,2%, um acréscimo de 0,9 ponto percentual frente ao trimestre anterior, encerrado em 31 de dezembro de 2020. Esse recuo significa 32 mil mil desocupados a mais, totalizando 228 mil enquanto no período anterior eram 196 mil. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral (Pnadc/T) divulgada na manhã desta quinta-feira pelo IBGE.

Um dado positivo da pesquisa foi a redução dos empregos informais no setor privado. O Estado encerrou o trimestre com 200 mil trabalhadores nesse grupo, 17 mil a menos do que no trimestre anterior.

SC cria 11 mil empregos em abril, terceiro melhor resultado do país no mês

No Brasil, a taxa de desemprego ficou em 14,7% no trimestre, um aumento de 0,8 ponto percentual frente ao período de outubro a dezembro, que ficou em 13,9%. As maiores taxas foram registradas foram na Bahia e Pernambuco, ambos com 21,3%, seguidos por Sergipe (20,9%) e Alagoas (20%). As menores, foram em SC, 6,2%, Rio Grande do Sul (9,2%), Paraná (9,3%) e Mato Grosso (9,9%).

A pesquisa Pnadc do IBGE mostra desta vez, no Estado, um resultado diferente do Caged que registrou aumento de vagas formais. Isso ocorre porque o IBGE pergunta quem está procurando emprego e a crise da pandemia fez mais gente sair de casa em busca de colocação. O Caged registra empregos formais. 

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas