nsc
    nsc

    Opinião

    Viagens de líderes do setor público viram polêmica e ganham apoio de entidades

    Compartilhe

    Estela
    Por Estela Benetti
    23/09/2019 - 11h41 - Atualizada em: 23/09/2019 - 16h20
    Divulgação

    Grupo de entidades empresariais da Grande Florianópolis divulgou nota no final de semana defendendo que representes do executivo e legislativo do Estado e de municípios façam viagens ao exterior para conhecer bons exemplos lá fora, que possam inspirar iniciativas no Estado que favoreçam o desenvolvimento econômico e social.

    Entre as entidades que assinam a publicação estão a Associação Catarinense de Tecnologia (Acate), a Associação Comercial e Industrial de Florianópolis (Acif), Santa Catarina Convention & Visitors Bureau e a ABIH-SC. A iniciativa ocorreu porque o vereador Miltinho Barcelos (DEM), presidente da Comissão de Ciência e Tecnologia, Inovação e Informática da Câmara de Florianópolis viajou a Portugal em novembro do ano passado para participar do Web Summit Lisboa, um dos maiores eventos de tecnologia do mundo, e passou a ser criticado nas redes sociais.

    Segundo as entidades, esses exemplos de sucesso lá fora inspiram iniciativas no Estado que precisam do apoio do setor público. Um exemplo é o Floripa Conecta, que aqueceu a economia da Capital em agosto. Foi criado por empresários de Florianópolis após conhecerem o festival SXSW de Austin, no Texas, que reúne tecnologia, cultura e outras ações inovadoras.

    A propósito, pessoas do executivo e legislativo de SC precisam conhecer no exterior bons exemplos de captação e tratamento de água para cidades porque são muitas as críticas após análises do Ministério Público apontarem agrotóxicos na água de mais de 20 municípios. Um excelente exemplo e fácil de conhecer é o de Nova York, que tem um projeto especial para que a água chegue a todos munícipes com excelente qualidade.

    Se há excessos de gastos de agentes públicos em viagens, isso precisa ser limitado por lei. O servidor público não precisa ir na primeira classe, consumindo champanhe e caviar, nem na classe executiva. Até porque a grande maioria das pessoas não dorme em viagem. Mas é importante saber o que acontece no mundo e se comunicar com outros governos e instituições. Isso gera oportunidades de negócios e desenvolvimento.  

    As entidades que assinaram a nota são: Acif, Acate, Abrasel-SC, Associação Brasileira de Empresas de Eventos (Abeoc-SC), Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH-SC), Ampe Metropolitana, FloripAmanhã, Santa Catarina Convention & Visitors Bureau, Fórum de Turismo de Florianópolis (Fortur), Floripa Sustentável, Sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares (SHRBS) e Sindimóveis-SC.

    Matéria atualizada às 17h15min

    Vereador foi em classe econômica

    O vereador Miltinho Barcelos, após ler esta matéria, enviou mensagem explicando que a viagem que fez a Portugal, em 2018, foi em classe econômica e que se hospedou em hotel com baixo custo (88 Euros por diária).

    - Aproveito ainda para informar que a Câmara Municipal de Florianópolis possui legislação que determina os valores das diárias em viagens, não podem ter os valores ultrapassados – esclareceu Miltinho.

    Conforme o parlamentar, este é um tema importante para o conhecimento da população porque é preciso conscientizar todos de que através de missões nacionais e internacionais é possível gerar bons frutos para a cidade.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas