Um ex-militar preso na Alemanha quarta-feira (7) por participar de um suposto plano de golpe de estado viveu e manteve negócios em Santa Catarina ao menos até o ano passado. Rüdiger Wilfred Hans Von Pescatore, de 69 anos, é apontado pelas autoridades do país como responsável por recrutar integrantes de forças de segurança para um grupo classificado como “terrorista”. Ele foi detido na região de Freiburg.

Receba notícias de Blumenau e região direto no Whatsapp.

Pescatore tem duas empresas ativas registradas no Estado, em ambas o genro é sócio. Uma consultoria empresarial, com sede em Pomerode, e uma representação de painéis solares, em Blumenau. O endereço da primeira é uma residência no Centro da cidade onde familiares moraram até 2020, quando teriam se mudado para o Paraguai. A segunda é uma sala comercial na Rua XV de Novembro. Os telefones relacionados às empresas estão desativados.

De acordo com uma pessoa próxima à família que não quis se identificar, Pescatore chegou à região por volta de 2016 acompanhado da esposa, de uma filha, do genro e de netos. Ele fixou residência num sítio na região do Encano, em Indaial. Visitava a filha, em Pomerode, com frequência, mas tinha poucos contatos fora do convívio familiar.

Antes de Santa Catarina, o ex-militar havia morado em pelo menos mais dois estados brasileiros: São Paulo e Rio Grande do Norte.

Continua depois da publicidade

Armas

Segundo a imprensa alemã, entre 1993 e 1996, Pescatore comandou um pelotão de paraquedistas das Forças Armadas do país. Ele teria sido afastado à época por suspeita de desviar armas. Depois que a prisão por conspiração veio à tona, nesta semana, ex-colegas de batalhão relembraram as acusações em um grupo de Facebook e se mostraram surpresos ao ver a foto do ex-comandante nos jornais.

No Vale do Itajaí, quem teve contato com a família de Pescatore custa a acreditar na história. Exceto pelo envolvimento com teorias conspiratórias e negacionismo relacionado à Covid-19 — traço comum entre os membros do grupo, segundo a investigação alemã.

A operação desencadeada pela polícia da Alemanha é descrita como a maior da história contra grupos extremistas. Cerca de 3 mil policiais foram acionados para cumprir mandados de busca e de prisão. Ao todo, há mais de 50 pessoas investigadas. Entre os líderes detidos, além de Pescatore, estão um descendente de uma das antigas monarquias alemãs, uma ex-parlamentar e outros ex-militares.

Receba textos e vídeos do colunista Evandro de Assis direto do Whatsapp

Leia também

Alemanha ensina que na democracia não existe liberdade de tramar golpe

Água turva em Blumenau é problema que nem obra milionária resolverá

Novas indicações políticas em Blumenau custarão R$ 2 milhões por ano

Fórum de Blumenau terá ala em homenagem a promotor

Destaques do NSC Total