Aprovada a reforma tributária na Câmara dos Deputados, em votação concluída na madrugada desta sexta-feira (7), o bolsonarismo descobre que encolheu. A direita rachou e tem agora dois líderes de oposição: o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), que preferiu sair na fotografia junto com quem trabalhou pela reforma, e Jair Bolsonaro (PL), o líder da oposição derrotada, a quem a maioria da bancada de Santa Catarina permanece fiel.

Continua depois da publicidade

Veja como votou cada deputado de SC na aprovação da reforma tributária

Onze parlamentares de SC votaram contra no primeiro turno, seguindo a posição bolsonarista de contrapor a “reforma do PT”. O governador Jorginho Mello (PL) e lideranças evangélicas do Estado ignoraram as ponderações de Tarcísio e estimularam o apoio a Bolsonaro. Falaram em pressa excessiva na discussão da proposta, que tramita há quatro anos, e em perdas para estados e municípios, contrariando a avaliação do maior estado produtor do país, São Paulo.

Na lista de cinco favoráveis estão os dois petistas (Ana Paula Lima e Pedro Uczai) e dois dos três emedebistas (Carlos Chiodini e Valdir Cobalchini), além de Fábio Schiochet (União).

Continua depois da publicidade

Vídeo: Após falar com Bolsonaro, Jorginho diz que é contra Reforma Tributária

Nesta nova fase da direita brasileira, em que o líder capaz de reunir quase metade dos votos nacionais está inelegível e o governador do maior Estado da federação abriu dissidência apontando para um caminho menos extremo, Santa Catarina aferrou-se ao primeiro. Contra a vontade de entidades de empresários e de trabalhadores, economistas dos mais diversos matizes ideológicos, investidores e agricultores.

Poucas vezes um consenso na sociedade foi tão detectável antes de uma votação no Congresso. Se a direita de SC preferiu a oposição sistemática à argumentação, é porque enxerga o embate político com as mesmas lentes de 2018 e 2022. Com ou sem Jair Bolsonaro na liderança.

Receba textos e vídeos do colunista Evandro de Assis direto do Whatsapp

Leia também

Câmara de Blumenau proíbe monumento a Lula

Obras na BR-470 mudam trânsito em outro acesso a Blumenau

Projeto altera poder de polícia da prefeitura de Blumenau e valores de multas

MEC adia visita a Blumenau para tratar de fusão da Furb com o campus da UFSC

Destaques do NSC Total