nsc
    nsc

    Duodécimo

    Vereadores que comandam a Câmara de Blumenau assinaram termo prometendo reduzir custos

    Compartilhe

    Evandro
    Por Evandro de Assis
    07/01/2021 - 10h24 - Atualizada em: 07/01/2021 - 10h31
    Desafio será costurar apoio às medidas sem gerar melindres internos
    Desafio será costurar apoio às medidas sem gerar melindres internos (Foto: Divulgação)

    Os quatro vereadores eleitos para dirigir a Câmara de Blumenau nos próximos dois anos assinaram um documento em que se comprometem a reduzir custos da Casa. O termo de compromisso prevê medidas como a redução da fatia a que o Legislativo tem direito no orçamento, o fim do contrato com a empresa que produz a TVL e redução de assessores. Ele não estabelece prazo para aplicar as medidas.

    > Receba notícias de Blumenau por WhatsApp. Clique e entre no grupo do Santa​.

    O presidente Egídio Beckhauser (Republicanos), a vice Silmara Miguel (PSD) e os secretários Almir Vieira (PP) e Ailton de Souza (PL) assinaram o documento em acordo com Emmanuel Tuca Santos (Novo), ainda em dezembro. O parlamentar impôs a cartilha de austeridade como condição para apoiar a chapa, que acabou tendo oito votos de 15, o mínimo necessário.

    Agora, faz pressão para tornar as medidas prioritárias. Algumas delas dependem apenas da Mesa Diretora, como a eliminação de cargos e o contrato da TVL. Porém, reduzir o duodécimo orçamentário do Legislativo é assunto mais complexo, não depende apenas dos quatro que assinaram o papel. Será preciso mudar a lei orgânica do município, tramitação que exige 10 votos. E o tema está longe de ser consensual. Em entrevista à coluna, Beckhauser disse que está comprometido com as propostas, mas que a implementação será feita em conjunto com os colegas, sem atropelo.

    Hoje, 5% do orçamento municipal são da Câmara. Pela proposta, passariam a ser 3,5%. No exercício de 2021, por exemplo, os vereadores terão direito a gerir R$ 40,7 milhões. Na nova regra, seriam pouco mais de R$ 28 milhões. A diferença ficaria com o Executivo.

    É comum, no fim de cada ano, a Mesa Diretora anunciar a devolução de valores à prefeitura, porque o orçamento nunca é gasto na totalidade. Quando isso ocorre, os parlamentares e o prefeito negociam um carimbo para a verba. No ano passado, por exemplo, os recursos foram direcionados para o combate ao coronavírus. Assim, os parlamentares buscam faturar politicamente com o ato simbólico.

    — A Câmara devolve como se estivesse fazendo um favor aos pagadores de impostos — critica Tuca.

    O parlamentar sugere que o dinheiro seja permanentemente carimbado para a Educação Básica. Mas vai precisar convencer ao menos outros nove parlamentares para aprovar a mudança.

    Documento foi assinado em dezembro
    Documento foi assinado em dezembro
    (Foto: )

    Celeuma

    Em 2019, sete vereadores de Blumenau anunciaram a mesma proposta de redução do duodécimo de 5% para 3,5%. Permanecem no Legislativo apenas Alexandre Matias (PSDB) e Marcos da Rosa (DEM).

    O tema gerou celeuma e acabou engavetado. Parlamentares que não foram convidados a assinar o projeto de lei, como Bruno Cunha (Cidadania) e Gilson de Souza (Patriota), reclamaram da falta de discussão. Outros, como Almir Vieira (PP) — que agora assinou o termo de compromisso —, à época consideraram a proposta populista. O desafio agora será costurar apoios sem gerar melindre interno.

    Receba textos e vídeos do colunista Evandro de Assis direto no WhatsApp. Basta clicar aqui.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas