nsc
nsc

DEPOIS DO CICLONE

Igreja de Blumenau vai plantar 169 árvores em cemitério histórico

Compartilhe

Evandro
Por Evandro de Assis
13/03/2021 - 08h00
Cemitério histórico perdeu quase 100 árvores após o ciclone-bomba de 2020
Cemitério histórico perdeu quase 100 árvores após o ciclone-bomba de 2020 (Foto: Divulgação)

Uma boa notícia para quem preza por verde e sombra em Blumenau. A comunidade da Paróquia Luterana Centro aprovou o plantio de 169 árvores no cemitério histórico. Serão ciprestes, ipês, quaresmeiras, cerejeiras e até exemplares de pau brasil. Uma pequena floresta urbana em meio às lápides de imigrantes ilustres — o mais famoso deles, o naturalista Fritz Müller, certamente ficaria satisfeito com a iniciativa.

> Receba notícias de Blumenau e região direto no Whatsapp.

Desde o ciclone-bomba de junho passado, quando quase 100 árvores caíram com a força do vento, a direção da paróquia vinha discutindo uma recomposição. As mudas a serem plantadas devem ter entre 1,5 metro e 2 metros, para que cresçam rápido. 

Segundo o pastor Milton Jandrey, o investimento previsto com plantio, irrigação e controle de formigas por um ano é de R$ 42 mil. Quem quiser contribuir pode usar o Pix do CNPJ 094831720001-38.

Cemitério no Centro de Blumenau abriga restos mortais de imigrantes ilustres
Cemitério no Centro de Blumenau abriga restos mortais de imigrantes ilustres
(Foto: )

Arborização

A iniciativa da comunidade luterana une-se à do empresário que plantou, sob sigilo, 70 ipês-amarelos num local conhecido de Blumenau. Ações que estão longe de compensar os frequentes cortes de árvores de sombra na região central, mas que despertam esperança e servem de exemplo.

Receba textos e vídeos do colunista Evandro de Assis direto no WhatsApp. Basta clicar aqui.

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Mais colunistas

    Mais colunistas