nsc
nsc

Opinião

Mário Hildebrandt atua como coringa nas articulações eleitorais em SC

Compartilhe

Evandro
Por Evandro de Assis
13/03/2022 - 15h26
Mesmo sem entrar diretamente na disputa, prefeito de Blumenau é cabo eleitoral desejado
Mesmo sem entrar diretamente na disputa, prefeito de Blumenau é cabo eleitoral desejado (Foto: Patrick Rodrigues, BD, Santa)

No jogo embaralhado das Eleições 2022 em Santa Catarina, o prefeito Mário Hildebrandt (Podemos), de Blumenau, ocupa lugar de coringa. Não é candidato, mas pode até ser. Conversa com quase todos os pré-candidatos a governador apresentando-se como jogador neutro, sem padrinho político. Ouve convites para mudar de partido enquanto atua como apaziguador dentro do Podemos.

> Receba notícias de Blumenau e região direto no Whatsapp.

Hildebrandt construiu a condição atual. Desde o primeiro dia do mandato conquistado nas urnas em 2020, trabalhou para que a gestão fosse percebida além dos limites de Blumenau. Vendeu a imagem de prefeito que, como costuma dizer, "faz entregas". Obras concluídas, concessões turísticas funcionando, bons números no combate à pandemia de Covid-19 em comparação às cidades brasileiras de mesmo porte. Em outubro do ano passado, promoveu jantar na Vila Germânica para apresentar os resultados da administração a prefeitos, parlamentares e lideranças estaduais.

Essa exposição veio acompanhada de gestos para valorizar a vice-prefeita Maria Regina de Souza Soar (PSDB). Ela ganhou espaço na administração e na divulgação de atos do governo. Movimento sempre interpretado como parte do processo sucessório de 2024. Nas últimas semanas, porém, observadores têm questionado se o horizonte dessa ascensão é tão longo.

No Podemos, Hildebrandt agiu como apaziguador na disputa entre o ex-deputado Paulo Bornhausen, que queria distância de Carlos Moisés, e o presidente da legenda em SC, Camilo Martins, de quem o governador aproximou-se. Embora tenha seguido Bornhausen desde o PSB para o Podemos, o recente desembarque do ex-parlamentar não produziu sobressaltos em Blumenau. Sem dar qualquer indicativo, o prefeito diz que ouvia convites de outros partidos antes da saída de Bornhausen e que continua ouvindo agora.

Hildebrandt tem conversas frequentes com ao menos quatro pré-candidatos ao governo, pessoalmente ou via emissários. Almoçou com Jorginho Mello (PL) em Brasília na terça-feira (8), recebeu Antídio Lunelli (MDB) em Blumenau na semana passada; esteve recentemente em Florianópolis com Gean Loureiro (União Brasil) e mantém contatos regulares com Moisés — ponte que não existia até o fim do ano passado.

O prefeito caberia na posição de vice em qualquer chapa que envolva os citados. Mas para isso teria de renunciar à prefeitura dentro do prazo legal, em abril. Diferente dos prefeitos da Capital e de Jaraguá do Sul, não sinalizou que o faria. Se permanecer onde está, ninguém interpretará como recuo.

Mesmo sem entrar diretamente na disputa, o coringa Hildebrandt comanda a terceira maior máquina municipal do Estado, é carta desejada. A mão que vier a completar no jogo de outubro terá de prever espaço nobre, a ele ou a aliados dele, também no próximo governo.

Receba textos e vídeos do colunista Evandro de Assis direto no WhatsApp. Basta clicar aqui.

Leia também

TRE põe um asterisco na política de Blumenau ao cassar vereador

Rodovias federais de SC sofrem novo corte no orçamento de 2022

Naturalista Fritz Müller será homenageado pelo Congresso Nacional

Blumenau corre contra o tempo para emplacar federalização da Furb em 2022

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Mais colunistas

    Mais colunistas