nsc
nsc

ESTÁDIO MUNICIPAL?

Municipalização do Complexo Esportivo do Sesi, em Blumenau, interessa à Fiesc

Compartilhe

Evandro
Por Evandro de Assis
14/04/2021 - 07h00
Terreno do complexo havia sido doado pela prefeitura na década de 1970
Terreno do complexo havia sido doado pela prefeitura na década de 1970 (Foto: Patrick Rodrigues, BD, Santa)

A possibilidade de municipalização do Complexo Esportivo do Sesi interessa tanto à prefeitura de Blumenau quanto à Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), atual responsável pelo espaço. É por isso que o prefeito Mário Hildebrandt (Podemos) enviou ofício à entidade, na segunda-feira (12), formalizando o desejo de assumir o espaço em definitivo. A questão é como e por quanto.

> Receba notícias de Blumenau e região direto no Whatsapp.

Hildebrandt não falou em compra, mas em "receber" o patrimônio. Não há orçamento para aquisição. Do lado da indústria, o momento é de revisão da estrutura e dos planos para o complexo. Mas a simples doação está descartada. Apesar da diferença, há um avanço nas conversas: no passado, a municipalização esbarrou na falta de disposição da Fiesc para prosseguir com as tratativas. Isso mudou.

O debate foi reativado por iniciativa da Câmara de Vereadores. Alexandre Matias (PSDB), ex-líder do governo e filho do presidente do Metropolitano, Valdair Matias, sugeriu que a prefeitura comprasse o imóvel da Rua Itajaí como forma de garantir um estádio para que Metrô e Blumenau Esporte Clube (BEC) mandem seus jogos. Ao mesmo tempo, seria possível centralizar lá as modalidades esportivas do município, hoje espalhadas por clubes da cidade. O Metropolitano está disputando o Catarinense 2021 em Ibirama porque, desde o ano passado, o Sesi decidiu não alugar mais o campo para jogos de futebol profissional.

O ofício da prefeitura ao presidente da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar, foi alinhavado após conversa entre Hildebrandt e o vice-presidente da entidade para o Vale do Itajaí, Ulrich Kuhn. O próprio industrial encaminhou a correspondência a Florianópolis. Ele disse à coluna que Aguiar concorda com a municipalização, mas é preciso desenhar um modelo viável.

— A prefeitura e a iniciativa privada podem transformar aquilo num centro esportivo referência no Brasil. Mas o Sistema S não pode simplesmente doar porque tem regras muito claras que impedem — analisou Kuhn.

O terreno onde fica a estrutura esportiva havia sido doado pelo município ao Sesi na década de 1970, sob a condição de que o complexo a ser erguido abrigasse atividades esportivas. Em 2019, os vereadores aprovaram uma lei autorizando o uso do espaço também para Educação e Inovação. Ela atendia a um projeto da entidade industrial de abrir no local escolas nos níveis Fundamental e Médio. Porém, a pandemia mudou os planos e os investimentos foram redirecionados para a sede do Senai, no bairro Victor Konder.

Sem poder vender o patrimônio, porque a lei proíbe, e com recursos limitados para investir no esporte, neste momento faz sentido para a Fiesc passar adiante o complexo esportivo. É uma situação diferente de 15 anos atrás, quando a entidade havia negado proposta de compra apresentada pela prefeitura.

Resta saber se também será bom para o município. Segundo o prefeito, ainda não foram levantados os custos de manutenção do complexo e nem quanto a prefeitura economizaria com aluguéis, transferindo atividades para lá.

Manifestadas as disposições, agora é o momento de fazer contas.

Receba textos e vídeos do colunista Evandro de Assis direto no WhatsApp. Basta clicar aqui.

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Mais colunistas

    Mais colunistas