nsc
nsc

PROJETO JICA

SC tira da gaveta programa japonês de contenção de cheias no Vale do Itajaí

Compartilhe

Evandro
Por Evandro de Assis
10/01/2022 - 07h32 - Atualizada em: 12/01/2022 - 07h23
Obras do Projeto Jica como a sobrelevação da barragem de Ituporanga já foram executadas
Obras do Projeto Jica como a sobrelevação da barragem de Ituporanga já foram executadas (Foto: Marcelo Bennert, BD, Divulgação)

O governo de Santa Catarina pretende tirar da gaveta projetos de prevenção a desastres, como cheias e deslizamentos, no Vale do Itajaí. São obras sugeridas por um programa da agência japonesa Jica após os desastres de 2008 e 2011. O secretário da Fazenda, Paulo Eli, que no governo Raimundo Colombo coordenou o programa, tem conversado com prefeitos e a Defesa Civil do Estado para resgatar obras que ficaram pelo caminho. Contribuem para o plano a situação do caixa estadual e a capacidade de endividamento do governo.

> Receba notícias de Blumenau e região direto no Whatsapp.

Algumas das obras do Projeto Jica já foram executadas. É o caso da sobrelevação das barragens de Taió e Ituporanga, no Alto Vale do Itajaí. Mas há outros que não foram adiante. O primeiro e mais adiantado na lista do Estado é a barragem de Botuverá. Ela seria capaz de reduzir o impacto das enchentes do Rio Itajaí-Mirim em Brusque e Itajaí e ainda contribuir para o abastecimento de água da região.

Ainda no Itajaí-Mirim, o plano prevê o alargamento e limpeza de toda a calha, obra estimada em R$ 300 milhões. Em Blumenau, estão previstas obras de contenção de encostas e voltou à pauta o projeto de construir um túnel na Ponta Aguda para servir de canal extravasor ao Itajaí-Açu, tirando água do Centro — esta última intervenção não integra os projetos sugeridos pela Jica. A região de Rio do Sul tem três novas barragens previstas, além do desassoreamento do rio.

 — Esse é um assunto que nunca esteve morto, mas fizemos o dever de casa e agora temos condições de resgatar projetos de alto custo — avaliou Paulo Eli.

O secretário também vem pedindo aos prefeitos do Vale que incluam projetos de drenagem, aqueles de menor porte, no Plano 1.000 — que prevê o investimento de R$ 1.000 por habitante nos municípios pelos próximos cinco anos. Intervenções mais caras dependem de dinheiro federal ou de financiamentos.

A Agência Internacional de Cooperação do Japão (Jica) colaborou com Santa Catarina por duas vezes, a primeira delas após as enchentes de 1983-84. Mas as obras ficaram de lado à medida em que o tempo passou.

Depois dos intensos deslizamentos de terra em 2008, na região de Blumenau, e das enchentes em Rio do Sul, em 2011, técnicos japoneses voltaram a colaborar com o Estado no desenvolvimento de soluções de longo prazo. Mas só uma parte foi adiante.

Enchentes acontecem, em média, a cada dois anos e meio na bacia do Itajaí-Açu. As de grande porte têm uma taxa de retorno de 25 anos. Já se passaram 10 anos desde a última.

Correção

Embora seja citado como um dos projetos que podem vir a ser executados para prevenir cheias em Blumenau, a ideia de um túnel para servir de canal extravasor ao Rio Itajaí-Açu, no bairro Ponta Aguda, não foi sugerida pela agência japonesa Jica a Santa Catarina. A versão acima já está corrigida.

Receba textos e vídeos do colunista Evandro de Assis direto no WhatsApp. Basta clicar aqui.

Leia também

Quais obras Blumenau pretende incluir no pacote milionário de Moisés

Baladas de SC funcionam normalmente em meio à explosão da Covid-19

Crítica de Osmar Terra a Blumenau atesta que decreto da vacina é correto

Identificado o pichador da Ponte de Ferro, em Blumenau

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Mais colunistas

    Mais colunistas