nsc
nsc

Automedicação

Suposto efeito da ivermectina contra Covid-19 provoca corrida às farmácias de Blumenau

Compartilhe

Evandro
Por Evandro de Assis
06/07/2020 - 11h13 - Atualizada em: 08/07/2020 - 11h43
Farmácias de Blumenau não sabem quando vermífugo estará novamente disponível
Farmácias de Blumenau não sabem quando vermífugo estará novamente disponível (Foto: Marcello Casal Jr, Divulgação)

Zeraram os estoques de ivermectina nas farmácias de Blumenau. Correntes via redes sociais têm defendido o uso do vermífugo na prevenção e tratamento da Covid-19 e, desde o fim de junho, há uma corrida pelo medicamento.

A coluna ouviu farmácias de quatro bairros nesta segunda-feira. Uma delas, na Itoupavazinha, vem recebendo pedidos de empresas para distribuir o medicamento aos funcionários. Em outra, no Victor Konder, a atendente já sabe que, quando o telefone toca, é alguém em busca da droga.

> Quer receber notícias de Blumenau e do Vale por WhatsApp? Clique aqui e entre no grupo do Santa

Segundo proprietários de estabelecimentos, os distribuidores ainda não deram prazo para a renovação dos estoques. A ivermectina é ministrada há décadas para o tratamento de vermes e parasitas, como piolhos. Não há evidências científicas suficientes sobre efeitos contra a Covid-19. A automedicação é desaconselhada.

> Moisés diz a Bolsonaro que tomou cloroquina no tratamento da Covid-19

Prefeituras como as de Balneário Camboriú e Itajaí estão incluindo o medicamento nas ações de saúde pública contra o novo coronavírus. Como revelou a colega Dagmara Spautz, Itajaí está adquirindo um milhão de doses e médicos catarinenses dendem que o goveno estadual inclua a ivermectina nos protocolos de tratamento precoce da doença.

Em Blumenau, a Secretaria Municipal de Saúde informou que respeita a autonomia do médico. A responsabilidade de prescrição do remédio para tratamento da Covid-19 é de cada profissional.

> Concursos públicos em SC: veja vagas e processos com inscrições abertas

Estudos sobre ivermectina

A procura desenfreada pela ivermectina tem origem num estudo divulgado no início de abril pela Universidade de Mash, na Austrália. Pesquisadores identificaram que o medicamento reduziu a replicação do vírus Sars-Cov-2 em células in-vitro. Desde então, o estudo prosseguiu em testes pré-clínicos, que ainda não foram concluídos. A próxima fase, caso a hipótese se confirme, será testar a ivermectina em um grande número de pacientes.

A própria universidade ressalva que pacientes não devem automedicar-se com ivermectina porque não há evidências suficientes para adotá-lo no tratamento e muito menos prevenção da Covid-19.

> Prefeito de Florianópolis diz que sistema de saúde está perto de colapso e faz apelo por isolamento

No Brasil, o estudo australiano, embora preliminar, virou mantra em conteúdos que circulam por Whatsapp. O vídeo de uma médica e influenciadora digital que defende a ivermectina tem mais de 800 mil visualizações no YouTube. Ela afirma que o remédio representaria a "cura" da doença, o que não encontra qualquer fundamento científico.

As sociedades de Pneumonolgia e Tisologia e de Infectologia divulgaram alertas no mesmo sentido do que diz a universidade da Austrália: ainda não há informações suficientes sobre vantagens do medicamento em pacientes infectados pelo novo coronavírus.

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Mais colunistas

    Mais colunistas