nsc
    nsc

    AGRICULTOR FANTASMA

    Vereadores de Blumenau adiam reunião com secretária de Educação sobre merenda escolar

    Compartilhe

    Evandro
    Por Evandro de Assis
    18/11/2020 - 13h23
    Operação policial cumpriu mandados de busca e apreensão em outubro
    Operação policial cumpriu mandados de busca e apreensão em outubro (Foto: Celso Renner, Divulgação)

    Ficou para dezembro a reunião na Câmara de Vereadores de Blumenau sobre a investigação de supostas irregularidades na compra de alimentos para a merenda escolar. A sessão da Comissão de Agricultura estava prevista para 14h desta quinta-feira (18), mas teve de ser postergada a pedido da secretária de Educação, Patricia Lueders, e do intendente da Vila Itoupava, Leandro da Silva. O caso está sob investigação da Polícia Civil na operação Agricultor Fantasma.

    > Quer receber notícias de Blumenau e do Vale por WhatsApp? Clique aqui e entre no grupo do Santa

    Os convocados apontaram um dispositivo legal que prevê 30 dias de prazo entre a convocação pelos vereadores (5 de novembro) e a data da reunião. Também foram convidados, sem a obrigação de comparecer, a presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Cátia Hackbarth, e o titular da 4ª Delegacia Especializada no Combate à Corrupção, Lucas Almeida.

    Segundo o presidente da Comissão, o vereador Bruno Cunha (Cidadania), o adiamento do compromisso tem o lado positivo de não misturar as apurações com o clima eleitoral.

    Agricultor Fantasma

    A operação Agricultor Fantasma apura um suposto superfaturamento na compra de alimentos da agricultura familiar para a merenda de estudantes da rede municipal. A suspeita é de que, ao invés de plantar, agricultores comprariam mercadorias e revendiam à prefeitura por preços acima dos de mercado.

    No dia 21 de outubro, policiais cumpriram mandados de busca e apreensão na Intendência da Vila Itoupava e no Sindicato dos Trabalhadores Rurais. Segundo o delegado, as investigações começaram há seis meses.

    O inquérito policial corre em segredo de Justiça porque nos autos há interceptações telefônicas autorizadas pelo Judiciário.

    Receba textos e vídeos do colunista Evandro de Assis direto no WhatsApp. Basta clicar aqui.

    Mais colunistas

      Mais colunistas