nsc
nsc

Cobranças

Chapecoense: Mozart, pressionado, certamente vai pra cima do Avaí

Compartilhe

Faraco
Por Faraco
25/05/2021 - 14h53 - Atualizada em: 25/05/2021 - 14h56
Mozart chega bastante pressionado pra essa final
Mozart chega bastante pressionado pra essa final (Foto: Márcio Cunha)

A pressão está gigante em Chapecó. O pressionado é o técnico Mozart. Desde que chegou para substituir Umberto Louzer, que teve passagem extremamente vitoriosa na Chapecoense, com os títulos Catarinense 2020 e Série B 2020, Mozart está sob desconfiança geral. É normal que isso aconteça, ainda mais para um treinador que tem ideias diferentes do seu antecessor.

O fato é que Mozart não pode pedir tempo e paciência. A decisão é nesta quarta e não há como adiar escolhas, treinamentos e desempenho da equipe. A Chape defende uma hegemonia estadual e precisa vencer para conquistar mais uma vez o Estadual.

> Vantagem do Avaí na final do Catarinense é destaque no Giro Total

Acredito que a primeira definição para esta quarta-feira vai ser jogar com os dois laterais na linha de ataque. Matheus Ribeiro e Busanello vão ganhar liberdade. Mozart já fez isso em outras situações de necessidade. Com os dois no fundo, pode manter a dupla de ataque em campo e na área. Mas o time vai precisar de criação também.

Chapecoense já não tem a mesma unidade dos tempos de Umberto Louzer
Chapecoense já não tem a mesma unidade dos tempos de Umberto Louzer
(Foto: )

> Clique aqui e receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

O que percebo nas escolhas recentes do treinador é que a Chapecoense tem se dividido em dois times em campo. Não há uma unidade, um jogo coletivo encaixado. Entre o time que defende, com volantes, zagueiros e laterais, e a linha de ataque, com quatro jogadores, existe um buraco, um vazio que geralmente é fatal.

Esse vazio está entre os dois volantes e os dois centroavantes. Não há um meia de ligação. Anselmo Ramon tem tentado fazer esse papel, mas não é a dele. Léo Gomes e Anderson Leite jogaram muito no domingo, mas estão fazendo o setor sozinhos. Anselmo Ramon e Perotti deixam de ser acionados porque não há criação. A Chape chutou duas vezes no domingo, em 90 minutos. As duas com Anderson Leite. Uma só foi no gol.

> Ouça o gol do Avaí nos acréscimos que deu a vitória sobre a Chapecoense

Além de adiantar os laterais, de manter os centroavantes na área, Mozart vai ter que achar quem faça o meio, a ligação entre os volantes e o ataque.

Leia mais

​​> "Temos que ter humildade", diz técnico do Avaí após vitória na final do Catarinense

> "Gosto amargo", diz técnico da Chapecoense após derrota para o Avaí no último minuto

Rodrigo Faraco

Colunista

Faraco

Jornalista e comentarista esportivo, sempre atento ao que acontece especialmente no futebol catarinense, faz análises e bastidores dos times do Estado.

siga Faraco

Rodrigo Faraco

Colunista

Faraco

Jornalista e comentarista esportivo, sempre atento ao que acontece especialmente no futebol catarinense, faz análises e bastidores dos times do Estado.

siga Faraco

Mais colunistas

    Mais colunistas