No comunicado oficial divulgado pelo Figueirense na segunda-feira, no final da tarde, havia uma questão crítica e que mexe com o torcedor alvinegro atualmente: a permanência ou não de José Carlos Lages. 

Continua depois da publicidade

Figueirense não renova com o técnico Paulo Baier para próxima temporada

Leia mais notícias do Esporte no NSC Total

Dizia a nota, que está no site do clube, que “o Sr. José Carlos Lages concluirá seu trabalho como Diretor-Executivo realizando o processo de transição junto aos novos profissionais que irão liderar a gestão do Figueirense a partir de dezembro.”

 A frase deixa em aberto. Não esclarece se Lages sai ou se fica, e se está falando especificamente do futebol ou do clube integralmente. 

Continua depois da publicidade

Figueirense eliminado se despede de 2023, o ano que o torcedor não merecia

Fui questionar as fontes. As respostas que ouvi vão na linha de que José Carlos Lages sai do futebol do Figueirense, que vai ter nova gestão a partir da chegada dos investidores.

Figueirense e os significados do documento que comprova o processo de venda da SAF

Perguntei de forma direta: José Carlos Lages fica no futebol?

A resposta foi: “Lages não fica no futebol”.

A outra fonte questionei: saindo do futebol, que posição José Carlos Lages vai ocupar?

A resposta teve um pouco mais de explicação desta vez e traz mais detalhes sobre a chamada transição: 

“A ideia é que o Figueirense tenha uma cogestão por alguns meses. Isso vai depender do ritmo dessa parte burocrática dos contratos e do encaminhamento jurídico da Recuperação Extrajudicial. Então, o Lages como CEO segue participando por algum tempo, a ser definido, e em função que será escolhida. Essa parte de passagem do bastão é essencial para a chegada do investidor. Entretanto, vem um executivo de futebol que vai conduzir o trabalho da área. É esse profissional que vai executar as ações do futebol. A participação de José Carlos Lages deve ser na gestão, mais ampla. Durante a cogestão, várias pessoas que participaram da gestão nos últimos anos devem participar, como Norton Boppré, José Tadeu, e Paulo Prisco Paraíso.” 

Fica claro que José Carlos Lages não fica no comando do futebol, ou em comitê de futebol, o que é importante no processo e traz credibilidade junto à torcida. Como já escrevi aqui antes, a parceria com a BIS foi um fracasso nos últimos anos no Figueirense.

Continua depois da publicidade

Veja o documento que comprova o início da operação da venda da SAF do Figueirense

Ao mesmo tempo, quem está por trás de toda essa articulação financeira e na captação de investidores para o clube é a dupla Paulo Prisco Paraíso e José Carlos Lages. Então, é muito provável que continuem na gestão do clube, a associação FFC, e que tenham relação com os novos “donos” da SAF Figueirense. 

Destaques do NSC Total