publicidade

Navegue por
Giro

Economia

Não há mágica

Compartilhe

Por Giro Financeiro
27/11/2018 - 16h54 - Atualizada em: 27/11/2018 - 18h06
cartola de mágico
(Foto: )

*Por Paulo de Tarso Guilhon

Mudanças virão, seja pela provável combinação do aumento da idade mínima para se aposentar e elevação da contribuição

Tratamento desigual para as assimetrias é o caminho para uma Previdência reparadora que não penalize tanto os menos afortunados, as futuras gerações e o país. Pensar em Previdência, como alertam especialistas, envolve eliminar as desigualdades constituídas ao longo de muito tempo e perceber cinco grupos entre trabalhadores e beneficiados.

Empresário de Itajaí está cotado para Secretaria de Pesca de Bolsonaro

O primeiro grupo é composto pelos futuros entrantes, o segundo grupo pelos atuais funcionários públicos ativos no chamado Regime Próprio de Previdência Social, o RPPS, o terceiro os empregados da iniciativa privada, o RGPS, o quarto de aposentados e pensionistas do RPPS e, finalmente, o quinto grupo formado pelos aposentados e pensionistas do RGPS.

As assimetrias são conhecidas e devem ser combatidas não só porque são insustentáveis, mas por representar uma injustiça social para os contribuintes e beneficiários do RGPS, ativos e inativos, ou seja, a imensa maioria. Fundamental eliminar as assimetrias existentes, não só entre os trabalhadores do serviço público e os da iniciativa privada, mas entre os trabalhadores do serviço público.

ANP cobra explicações de distribuidoras sobre preço de combustíveis

Estudo do Banco Mundial, do ano passado, revela as assimetrias. No RGPS, dos trabalhadores privados, o universo de beneficiários atinge 29 milhões de aposentados e déficit de R$ 150 bilhões, ao passo que, no RPPS, do setor público, o buraco é de R$ 77 bilhões, para 980 mil beneficiários.

Em 2019, os gastos com a Previdência Social deverão atingir 53,4% do orçamento federal, segundo proposta orçamentária, ou o triplo do que se aplicará em saúde, educação e segurança somados. O cálculo atuarial não fecha. Hoje, cada mulher gera 1,8 filho, em média, contra 6,3 na década de 1960. Vive-se, hoje, 76 anos no Brasil, contra 54, nos anos 1970.

Fim do auxílio-moradia tem impacto de quase R$ 50 milhões em Santa Catarina

Não há mágica. Mudanças virão, seja pela provável combinação do aumento da idade mínima para se aposentar e elevação da contribuição. Há estudos que recomendam incluir, até mesmo, o FGTS capitalizado em níveis de mercado e não da forma como rende hoje, só para os novos entrantes. O cálculo atuarial terá que achar uma combinação perfeita que machuque menos os mais sacrificados neste Brasil tão desigual. Segundo o IBGE, 25% da população, mais de 50 milhões de brasileiros, ganham até R$ 390 por mês.

Temporada de cruzeiros começa nesta quarta-feira em Santa Catarina

É um assunto que requer imenso esforço de elucubração das soluções e, principalmente, que o governo saiba comunicar que a previdência, assim como está, é insustentável e danosa ao cidadão que precisa de serviços públicos eficientes.

 

Paulo de Tarso Guilhon é Economista

Deixe seu comentário:

Giro Financeiro

Giro Financeiro

Giro Financeiro

Informações e análises sobre assuntos relacionados ao universo financeiro. De segunda a domingo, um tema diferente: finanças pessoais, economia, tecnologia, comércio exterior, empreendedorismo e agronegócio.

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação