nsc
    nsc

    EFEITO PANDEMIA

    Um Verão sem Warung e Green Valley

    Compartilhe

    Leo
    Por Leo Coelho
    07/01/2021 - 06h28 - Atualizada em: 07/01/2021 - 10h57
    Warung Club fica situado na Praia Brava em Itajaí
    Warung Club fica situado na Praia Brava em Itajaí (Foto: Remor/divulgação)

    Na última década, Balneário Camboriú se transformou na meca da música eletrônica na América Latina. Clubs como Warung, situado em Itajaí, e Green Valley, na cidade de Camboriú, transformaram-se em referência mundial pela magia do astral do público, atraído pelos maiores e melhores DJs do mundo. Entretanto, depois de anos levando alegria e diversão para turistas e locais, em 2021 essas duas locomotivas do entretenimento ainda não abriram suas pistas de dança, deixando de fazer parte do roteiro de milhares de pessoas no verão.

    Ciclone em SC destruiu estrutura do Green Valley, considerado melhor club eletrônico do mundo

    DJ Alok é um dos grandes artistas que se apresentavam durante o verão na Green Valley
    DJ Alok é um dos grandes artistas que se apresentavam durante o verão na Green Valley
    (Foto: )

    Acostumados a disputar lugar na agenda do público, sempre ávido por festas, os dois clubs não estão operando por casusa da pandemia. Fechada desde março para não colocar seus fãs em risco, a Green Valley ainda teve sua estrutura destruída durante a passagem de um ciclone em junho de 2020.

    Green Valley lança o movimento Together We Rise para celebrar a história do clube

    Encabeçado por DJ's que doaram seus cachês em prol da reconstrução do Green Valley, o Club número 1 do mundo sediará um evento histórico nos dias 29 e 30 de abril e 01 de maio de 2021 em Camboriú - SC. Para não deixar essa história ser encerrada, o movimento Together We Rise mobilizou milhares de pessoas e se tornou um marco de união e força. Junto aos fãs, consagrados DJ’s como Chemical Surf, Alok e Vintage Culture e mais 20 DJ’s da cena eletrônica também fazem parte desta iniciativa. Esse é um momento importante em que os amantes da música eletrônica e fãs do Club poderão ajudar efetivamente no retorno do Green Valley, devastado por um ciclone-bomba em junho deste ano.

    Em forma de agradecimento, o Green Valley construirá um memorial com o nome de todos aqueles que fizeram parte deste momento tão significativo
    Em forma de agradecimento, o Green Valley construirá um memorial com o nome de todos aqueles que fizeram parte deste momento tão significativo
    (Foto: )

    Já o Warung também optou por não colocar seu público em risco e permanece fechado desde o mês de março, quando se iniciou a pandemia no Brasil. Durante o recesso forçado, o club de Itajaí realizou alguns movimentos online, como lives especiais e conexões com artistas internacionais. Atento ao movimento digital, o club também criou o: Warung School. A proposta contém uma imersão de 3 dias em um evento totalmente inédito, ao vivo e 100% online, com muito conteúdo e dicas que irão conduzir o público ao Templo, como o espaço também é chamado.

    Público apaixonado por música eletrônica estava acostumado a ver o amanhecer dentro da pista do Warung
    Público apaixonado por música eletrônica estava acostumado a ver o amanhecer dentro da pista do Warung
    (Foto: )

    O prejuízo do setor de eventos é incalculável, e o número de demissões e profissionais desempregados é assustador. Isso sem falar na receita que o Estado perde, já que atualmente o entretenimento é uma das indústrias mais profissionalizadas de Santa Catarina, arrecadando números significativos para a economia catarinense. Segundo Doreni Caramori Jr., presidente da Associação Brasileira dos Promotores de Eventos (ABRAPE), o setor nacional teve uma queda do faturamento anual de cerca de 91 bilhões de reais. Parte desse faturamento ocorre nas principais cidades turísticas de Santa Catarina.

    Enquanto a pandemia estiver impondo suas regras e restrições, estaremos convivendo com menos diversão em nossas cidades. Essa lacuna, infelizmente, está sendo ocupada por festas clandestinas, sem regras, sem profissionalismo e sem arrecadação aos cofres públicos catarinenses. Tempos difíceis para um Estado que sempre pautou sua alegria e divertimento pelos parâmetros da legalidade. 

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas