nsc
    nsc

    Sobrecarga

    Com postinhos fechados, hospitais não vão dar conta, diz federação

    Compartilhe

    Loetz
    Por Loetz
    23/12/2020 - 10h24
    Leitos
    Dos 765 leitos disponíveis, 724 estão ativos e 632 ocupados (Foto: Divulgação)

    A Federação de Hospitais e Entidades Filantrópicas do Estado de Santa Catarina (Fehoesc) está muito preocupada com a iminência  do agravamento de casos de Covid-19. Alerta para a sobrecarga do sistema hospitalar, justamente nestes períodos de Natal, festas de fim de ano, combinados com período de férias, quando, tradicionalmente, a maioria das prefeituras fecha postos de saúde e ambulatórios.

    > Quer receber notícias de Joinville e Norte de SC por WhatsApp? Clique aqui

    - Os hospitais não vão dar conta da demanda, diz o diretor executivo da Fehoesc, Braz Vieira.

    O sistema hospitalar, vinculado à federação, soma 765 leitos, dos quais 724 estão ativos e 632 ocupados, segundo dados da segunda-feira, dia 22. A Fehoesc mostra a evolução dos casos de Covid-19, a justificar a preocupação. De 9 de outubro a 9 de novembro, a média diária de casos foi de 1.914. De 10 de novembro a 30 de novembro, portanto em apenas 20 dias, o total de casos diários pulou para 3.332. E, de 1 de dezembro a 21 de dezembro, foram contados 2.390, refluindo em relação ao período imediatamente anterior, mas mantendo um nível muito elevado.

    > Dezembro já é o mês com mais novos casos de coronavírus em Joinville desde o início da pandemia

    Essa não é a única preocupação. Braz Vieira comenta sobre a falta de profissionais de saúde nos hospitais.

    - Não há mão-de-obra suficiente nos hospitais. A prefeitura de Timbó teve de contratar 25 técnicos de enfermagem no estado do Pará. E a prefeitura de Blumenau busca gente no vizinho Rio Grande do Sul.

    > Joinville tem 97% de ocupação dos leitos de UTI para Covid-19 mesmo após abertura de novas vagas

    Com esta realidade dramática, a população deveria estar mais atenta ao problema. Ainda Braz: 

    - As pessoas não podem alegar falta de informação para se proteger. É preciso ter consciência do que está acontecendo e respeitar as regras para uma convivência adequada.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas