nsc
    nsc

    MOTORISTAS

    Faltam motoristas e empresas temem por apagão logístico

    Compartilhe

    Loetz
    Por Loetz
    11/01/2021 - 14h08
    Caminhões
    A única solução pode ser aumentar o salário dos motoristas de caminhão (Foto: Divulgação)

    Faltam motoristas de caminhão para atender a demanda das transportadoras. A informação é do presidente da Federação das Empresas de Transporte de Carga e Logística de Santa Catarina, Ari Rabaiolli.

    > Quer receber notícias de Joinville e Norte de SC por WhatsApp? Clique aqui

    A preocupação da Fetrancesc é tão grande que, no curto prazo, o líder só enxerga uma solução: aumentar os salários dos profissionais para que se motivem a continuar na profissão.

    - Atualmente, são raros os filhos dos caminhoneiros que querem seguir a carreira.

    Embora a federação não tenha dados gerais, Rabaiolli é claro: só uma transportadora, de Canoinhas, tem 100 caminhões parados por falta de gente habilitada a dirigir.

    > Governo do Estado muda Invest SC para atrair mais empresas

    A situação, no longo prazo, poderá ser amenizada se os centros de apoio aos caminhoneiros, os Sest-Senat, conseguirem formar novos motoristas - um trabalho demorado e de difícil implementação.

    Enquanto isso não acontece, haverá pressão das empresas por aumento de fretes, como forma de compensar a carência de trabalhadores.

    Alguns fatores explicam a falta de caminhoneiros na praça. Jornadas de até 12 horas diárias; pouca segurança nas estradas, insuficientes pontos de apoio estruturados nas rodovias, longos períodos longe de familiares e forte vigilância sobre os condutores são alguns motivos.

    > Prodec enquadra empresas de SC que vão investir 2 bilhões de reais

    Mesmo com essas dificuldades, o mercado do segmento oferece alternativas: a startup Motorista PX, criada em Joinville, e que desde o começo de 2020 já tem 5 mil motoristas cadastrados, segundo Rabaiolli.

    A plataforma, criada no ano passado funciona de forma semelhante a um Uber, com os profissionais escolhendo cargas e viagens, e os motoristas trabalham sob disponibilidade explica Rabaiolli.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas