nsc
    nsc

    Privatização

    Leilão dos aeroportos de Joinville e Navegantes é adiado para 2021

    Compartilhe

    Loetz
    Por Loetz
    22/08/2020 - 15h24
    foto mostra parte de dentro do aeroporto de joinville
    Decisão de privatização do aeroporto de Joinville ocorreu no início de 2019 (Foto: Salmo Duarte/ Arquivo NSC)

    O leilão dos nove aeroportos constantes do chamado bloco Sul de privatizações — nos quais se incluem os de Joinville e Navegantes — será realizado no primeiro trimestre de 2021, e não mais no último trimestre de 2020, como havia sido programado pelo Ministério da Infraestrutura. A data exata ainda não está definida. 

    Dados do IBGE mostram retomada nas indústrias, mas expõem pobreza em Santa Catarina

    A alteração é consequência dos efeitos da pandemia do novo Coronavírus, a provocar cautela por parte dos agentes econômicos relacionados a este mercado da aviação comercial doméstica, hoje em profunda crise.

    > Quer receber notícias de Joinville e Norte de SC por WhatsApp? Clique aqui e entre no grupo do A Notícia

    A informação consta de amplo e atualizado estudo de avaliação econômico-financeira do aeroporto de Joinville, o Lauro Carneiro de Loyola, Os dados e as análises que foram feitas, e agora disponibilizadas pelo Ministério da Infraestrutura, foram concluídas em julho, apontam para vários aspectos a envolver o processo licitatório.

    O ganhador do leilão dos aeroportos do bloco Sul deverá levar todo o conjunto dos aeroportos a serem privatizados. O mais atraente é o de Curitiba, tendo ainda os de Foz de Iguaçu, Navegantes e de Joinville, entre outros. O investimento previsto, no geral, soma R$ 2,8 bilhões. 

    Apenas para o aeroporto de Joinville, a consultoria que preparou o estudo estima a necessidade de investimentos de R$ 126,7 milhões, a serem feitos entre 2021 e 2035. A concessão do aeroporto será por 30 anos — até 2052. (A Infraero vai operar o aeroporto até 4 de janeiro de 2022, quando acaba o período de transição, e o grupo vencedor do leilão tomará conta do empreendimento).

    O estudo encomendado pelo ministério também relata que, individualmente, o aeroporto de Joinville não é atrativo para a iniciativa privada. O documento comprova, matematicamente, que a taxa interna de retorno do fluxo de caixa livre é negativo em menos 0,8%. Ou seja, a concessão, individualmente, do aeroporto de Joinville, é financeiramente inviável.

    Para se chegar a este resultado, a consultoria contratada para fazer a análise de viabilidade econômico-financeira levou em consideração projeções de volumes e de receitas e, também, de custos e de investimentos a serem realizados ao longo dos anos para garantir qualidade de operação e serviços exigida pelo governo.

    A demanda também foi objeto das análises técnicas. A estimativa é de que o fluxo de passageiros cresça 2,7% ao ano, no período de 2023 a 2050, e que a demanda por aviões aumente 2,5% ao ano para o mesmo período considerado. Passageiros domésticos serão 98% do total em 2050.

    Já para a movimentação de cargas se prevê crescimento bem menor: só 1,1% ao ano, e 42% do total se destinarão ao exterior em 2050, o que reforça a noção de que a região de Joinville se tornará, ainda, mais, um importante polo de economia transnacional.

    Em relação a empregos, a modelagem prevê criação de 600 empregos diretos e indiretos no ano de 2025, logo após a primeira fase de investimentos, podendo chegar a 800 em 2050.

    O mesmo trabalho anota que as receitas do aeroporto de Joinville deverão crescer 2,1%, em média, ao ano. A simulação prevê que a receita tarifária vai representar 60% do total no ano de 2050; em 2023 deverá significar 40% do total.

    A companhia ou o consórcio vencedor da concorrência terá isenções fiscais, e créditos tributários também estão contemplados na modelagem econômico-financeira. Estas vantagens poderão produzir economia média de 45%. Por exemplo: nos impostos sobre receita realizada, a alíquota cai de 14,25% para 7,50%.

    Para fazer frente aos investimentos, o consórcio poderá captar recursos de financiamento junto ao BNDES e lançar debêntures incentivadas. Pela modelagem proposta, o projeto se tornará gerador líquido de caixa a partir de 2026, com geração de caixa crescente, à medida em que o porte das operações aumente no aeroporto, e se beneficie da economia de escala. O estudo ainda mostra que a máxima exposição do caixa se dará em 2025, com R$ 140 milhões, O estudo conclui, então, que não será possível se obter payback.

    A concessão tem valor presente líquido (VPL) de menos R$ 88,7 milhões e, em 30 anos, o retorno seria abaixo do custo de capital exigido. Assim, como a operação isolada do aeroporto de Joinville é financeiramente inviável, neste caso não se geraria pagamentos a título de outorga.

    Mas, a concessão conjunta com os outros oito aeroportos constantes do bloco Sul de privatizações, beneficiará o investidor argumentam os autores da análise. Ele poderá ter ganhos de eficiência operacional e financeira, de modo a tornar o projeto atrativo.

    A concessão do Lauro Carneiro de Loyola para a iniciativa privada deverá melhorar o nível da prestação de serviços aos passageiros aos padrões mundiais; e também se espera incremento do número de frequências e maior conectividade com outros destinos, além de melhorar a segurança e promover valorização dos imóveis localizados perto do aeroporto.

    Por ora, tem havido consultas informais e manifestações de interesse nos leilões de diversos ativos de infraestrutura que serão concedidos, incluindo os aeroportos do bloco Sul constantes da sexta rodada de privatizações de aeroportos geridos pela Infraero.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas