nsc
    nsc

    Indústria

    Pandemia da Covid-19 reduziu exportações de móveis, mostra levantamento

    Compartilhe

    Loetz
    Por Loetz
    28/01/2021 - 11h44
    Container no porto
    Os moveleiros da região tiveram 53% de participação nas exportações catarinenses de móveis (Foto: Divulgação / Sindusmobil)

    As indústrias que compõem o polo moveleiro de São Bento do Sul, Campo Alegre e Rio Negrinho faturaram US$ 145,6 milhões com as exportações, no ano passado. O valor representa mais de um quinto (21%) do total de móveis vendidos no mercado internacional pela indústria brasileira, que alcançou US$ 691,3 milhões. Além da liderança nacional, os moveleiros da região tiveram 53% de participação nas exportações catarinenses de móveis, que somaram US$ 276,31 milhões em 2020.

    > Quer receber notícias de Joinville e Norte de SC por WhatsApp? Clique aqui

    As exportações, no entanto, foram impactadas pela pandemia do novo Coronavírus. Especialmente no primeiro semestre, com a redução das vendas para os países da Europa e da América do Sul. O setor registrou um recuo nas vendas de 8,8% em relação a 2019. No Brasil, as exportações de móveis tiveram uma queda de 2,8%.

    Dos principais blocos econômicos compradores de móveis do país e da região, a América do Norte foi a exceção, com crescimento de 8,3% nas importações de móveis brasileiros. A Europa e a América do Sul, por sua vez, importaram 13,1% e 9,1%  respectivamente, a menos,, em relação ao ano anterior.

    > Novo elevado em Joinville deve ter licitação lançada em fevereiro

    Os principais mercados dos móveis do polo de São Bento do Sul são Estados Unidos, França, Reino Unido, Canadá e Espanha.

    Para o presidente do Sindusmobil – Sindicato das Indústrias da Construção e do Mobiliário de São Bento do Sul, o desempenho das exportações pode ser considerado positivo, considerando a situação vivida pelo comércio mundial em 2020.

    - Com a vacinação avançando na América do Norte e Europa, é possível esperar um cenário mais promissor em 2021, com recuperação gradual das importações de móveis e um comércio internacional mais ativo, avalia o líder empresarial Fernando Hilgenstieler.

    Mais colunistas

      Mais colunistas