nsc
    nsc

    Lição de vida

    As mais belas e importantes lições de vida, geralmente estão bem pertinho da gente

    Compartilhe

    Mário
    Por Mário Motta
    23/10/2020 - 06h30
    (Foto: Arquivo Pessoal)
    (Foto: Arquivo Pessoal)

    Há 18 anos, essa catarinense de Criciúma reside e trabalha no Rio de Janeiro. Começou sua carreira no SBT de Florianópolis, em seguida foi minha colega na RBS TV Criciuma e depois em Joinville, seguindo para uma afiliada da Globo no interior paulista, indo parar finalmente onde seu talento a levaria - Rede Globo no Rio de Janeiro.

    ​> Quer receber notícias por WhatsApp? Inscreva-se aqui

    Atualmente apresenta o quadro “RJ Móvel” no RJTV (o equivalente ao Jornal do Almoço), cobrando das autoridades competentes, soluções para os problemas que afetam a população do Rio de Janeiro.

    Suzana Naspolini conquistou os cariocas e é reconhecida como uma das mais expressivas repórteres do meio televisivo. Cheia de humor, de talento e agilidade, ela consegue as respostas que a comunidade espera com reportagens muito inteligentes, provocativas e participativas.

    No entanto, é possível que muitos dos que a conhecem não saibam de sua história pessoal e como ela vem nos dá lições de vida e superação.

    Em 2014, perdeu o marido Maurício Torres - querido amigo e jornalista que fez enorme sucesso como apresentador dos programas esportivos da Rede Globo e depois na Record e que nos deixou precocemente. Na época, a filha do casal – Julia – tinha oito anos e foi o porto seguro de Suzana nessa passagem que nos entristeceu a todos.

    > Chico Buarque, Martinho da Vila e Nélida Piñon são finalistas do prêmio Jabuti

    Mas, é possível que muitos não saibam que Suzana enfrentou e superou o câncer em quatro oportunidades distintas, sendo 2016 o último episódio.

    Do mesmo modo como faz suas matérias, Suzana não perdeu o bom humor e decidiu transpor para um livro - Eu escolho ser feliz – ( Agir Editora) lançado no ano passado o que ela chama de constatação de que “um raio pode cair duas, três ou até quatro vezes no mesmo lugar”.

    > Marcos Piangers: o câncer é uma parte da gente que cansou

    Com resiliência, determinação, fé, bom humor e esperança, Suzana trouxe para o livro a bela lição prática de uma frase atribuída a Buda, que mexe muito com minha vida e que repito sempre que posso: “A dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional”. Querida Suzana, sou muito grato pelo exemplo, pela mensagem e por dividir conosco tudo que a vida lhe proporcionou.

    Tomo a liberdade de oferecer como mais uma sugestão de leitura para meus seguidores, ouvintes, telespectadores e leitores: Suzana Naspolini – Eu escolho ser feliz (Agir Editora).

    No episódio do Jornal Nacional, Suzana foi uma das primeiras a vir me abraçar nos estúdios da Globo.
    No episódio do Jornal Nacional, Suzana foi uma das primeiras a vir me abraçar nos estúdios da Globo.
    (Foto: )

    Como ela mesma escreve como subtítulo: “É difícil, mas a gente consegue. Bom humor e fé ajudam a enfrentar todos os raios”.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas